14 de fev de 2016

PROCURA-SE TUTORIAL SOBRE COMO LIMPAR BANHEIRO SEM RALO

A minha sina do ralo, ou no caso da falta de ralo, não começa nos Estados Unidos.

É uma luta que vem me acompanhando já há anos, desde que eu me mudei pra Espanha há 6 anos atrás eu venho sofrendo com esse grande desafio, esse calvário que é limpar um banheiro sem ralo.

E ao longo de todos esses anos todos, eu passei por muitas fases psico-neuróticas-somáticas diferentes. Teve primeiramente a surpresa, é claro. Aquela primeira vez que você lava o banheiro como deus manda, como você acha que tem que ser feito, como sempre se fez desde sempre, desde a Grécia antiga, ou seja, jogando baldes de agua na parede, no teto, no chão, em você mesma, porque faz parte, em tudo.

E aí você descobre que não tem ralo e que aquele riozinho que você mesmo criou no seu próprio banheiro, ele não tem pra onde escoar. E então não tem outra solução a não ser passar as próximas 3 horas e meia passando pano e mais pano e mais pano até que se acabam os panos secos que você tinha, você pega sua toalha, você pega o lençol da pessoa que divide o apartamento com você ate chegar num nível digno de secagem e ainda tem que fazer um acabamento com o papel toalha. São horas.

Ai vem a negação. Tipo não pode ser que não tem ralo. Que banheiro falho é esse sem ralo. E você começa a observar que não existe ralo nunca. Em nenhum lugar. Jamais. Vem a aceitação. Você tem que lidar com isso.

Mas aí na Espanha meu amigo, você tem uma ferramenta pra responder a essa falta de ralo. Pra compensar esse erro grotesco de engenharia que vem se perpetuando ha séculos naquele continente. É a fregona. A fregona é incrível porque ela te permite encher um balde de agua com o produto de limpeza mas ela tem um device, uma estrutura tal que da pra tirar o excesso de água antes de esfregar o chão. Então é um processo mais longo que o do ralo , mas satisfatório. Você esta em paz com você mesmo no ato de lavar o banheiro.

Então eu me adaptei. Não era o ideal, mas dava pra deixar o banheiro bem limpinho e viver feliz.

Daí eu vim pros Estados Unidos.

E você acha que essa coisa de não ter ralo é uma coisa europeia, da revolução francesa, dos bolcheviques, sei lá. Mas não. Eu tô começando a achar na verdade que só no Brasil tem ralo. Porque aqui não tem também não.

Só que aqui não tem fregona.

Então como faz? Não sei.

É a verdade e a razão pela qual eu estou aqui, fazendo esse apelo, esse pedido sincero através da internet que é essa rede maravilhosa que liga todos nós com o objetivo último e final de transmitir conhecimentos e conselhos sobre fatores tão essenciais da vida como limpar dignamente o banheiro sem ralo.

Vocês podem perguntar: tentou youtube? Tentei.

Tem tutorial de limpeza nos Estados Unidos, mas eu não gosto da ideia de passar só um paninho no banheiro. Não acho que tá limpo. Não tá limpo.

Tentou você mesma usar técnicas diferentes, vanguardistas controversas? Sim.

Dá pra limpar. Mas leva muitas horas, muita água, muito ficar ajoelhado secando o riozinho que se forma no chão com muito pano. Não pode ser a solução. Não pode ser.

Tentou perguntar pra um Americano como eles fazem? Não.

Não tentei porque eu não tenho intimidade com nenhum Americano suficiente pra perguntar: e aí, windex ou ajax? Esponjinha ou pano? Você também se ajoelha e fica secando o riozinho do seu banheiro cada semana? Não tenho intimidade pra isso, na verdade eu mal conheço Americanos, eu acabei de chegar e eu não quero arriscar essa amizade que tá ainda numa linha tênue trocando informações sobre limpeza de banheiro sem ralo. Eu nem sei como fala ralo em inglês, pra começar (diz google translate que é drain. Tem a palavra pra quê, se num tem o ralo?)

Então fica aqui o pedido de um tutorial sério, comprometido, real sobre como se lava um banheiro lavando mesmo, sem ser só paninho. E sem ralo.

Grata.


BLOG: People Places Thoughts

Mas onde pendura as roupas?

Isso foi a primeira coisa que perguntei pro Martin quando ele me mandou as fotos dos apartamentos que estava vendo pra alugar aqui em Londres: onde que vai o varal?

Parece besta, afinal a mudança pra outro país tem tantas outras barreiras muito mais assustadoras, mas a rotina na verdade é feita de coisas muito menores. Principalmente dentro de casa. A gente estranha, mas aprende rapidinho que:
O varal tem que ser portátil e fica onde há espaço
A máquina de lavar roupas fica na cozinha mesmo
Não tem ralo na cozinha ou no banheiro (fora o do chuveiro, claro)
O alarme de incêndio vai disparar quando você fritar um bife e não há nada que você possa fazer além de abanar a fumaça
Não tem tanque, aliás, não tem o luxo da área de serviço: quer lavar roupa na mão, lava no chuveiro, na pia, na banheira (ou, obviamente, manda lavar fora)...
A tomada tem interruptor
O banheiro não tem tomada
O interruptor de luz do banheiro ou fica do lado de fora ou não é um interruptor: é uma cordinha de puxar
Já que abrir a janela durante o inverno é algo fora de cogitação, existem uma frestas perto da janela, tipo uma ventilação, que servem pra dar aquela circulada básica no ar (mas também podem ser fechadas)
Não tem jeito: o aquecedor é essencial e feioso, mas não dá pra não ter ou pra disfarçar sua feiúra
(nos comentários ja tem alguns adendos muito bons!)

Não sei exatamente porque pensei nisso só agora, quase 4 anos depois de ter me mudado pra cá, mas achei interessante listas essas pequenas (grandes!) diferenças, pra ficar pra posteridade.


BLOG: Helô Righetto - Londres e afins

13 de fev de 2016

O que tem e o que não tem no Canadá

Agora que me mudei com a Camila para Montréal, Canadá, terei que deixar o Sigam-me os Bons em stand-by. Enquanto isso, vou postando no meu novo blog: Canadá Segundo os Brasileiros!

Neste primeiro post comentarei sobre algumas coisas que só vi aqui no Canadá e outras que não existem por aqui.

Começando por coisas que não existem aqui:

1. Programas sensacionalistas na TV

Sabe o Aqui Agora, Cidade Alerta, Datena e cia? Aqui não existe isso. Todos os jornais são sérios. Podem até ser mais informais, no formato de Morning Show, mas sem notícias sensacionalistas e sem apresentadores escandalosos. Um alívio hein?

2. Mulheres peladas na TV e desrespeito às mulheres

Aqui no Canadá é inimaginável um programa no estilo Gugu, Faustão e coisas do gênero com “assistentes de palco” ou dançarinas peladas. Os programas de auditório são bem comportados. Nada de decotes monstruosos, mini-saias ou mulheres de biquíni. Isto simplesmente não existe aqui. O respeito às mulheres é levado muito a sério. Os canadenses respeitam as mulheres e acima de tudo, elas também se respeitam.

Recente pesquisa do World Economic Forum também mostrou que o Canadá está entre os 20 países de maior igualdade entre homens e mulheres (como referência, o Brasil ficou em 62o). O desemprego entre as mulheres é menor que o dos homens (7% contra 8%). Ainda, as mulheres têm nível de escolaridade superior à dos homens.

Os anúncios de emprego precisam ser descritos em ambos os gêneros (ex: precisa-se de diretor/diretora) ou então é necessário colocar uma nota do tipo “O gênero masculino utilizado no texto inclui homens e mulheres, sem discriminação e com o único objetivo de abreviar o texto.” Aliás, nunca vi tantas motoristas (mulheres) de ônibus como em Montréal! Eu quase me arriscaria a dizer que são a maioria, mas não tenho um número para comprovar. Se eu achar, escrevo um post sobre isso. ;)

3. Leite Longa-Vida

Falar de comidas brasileiras é muito manjado. É claro que não existe pão de queijo, feijoada, etc. Mas achei interessante o leite. Diferentemente do Brasil, aqui não existe leite longa-vida, daqueles que duram meses. Isto porque todo e qualquer processo de modificação ou pasteurização do leite é proibido aqui. Com isto, somente leite fresco pode ser vendido. Eles vêm em saquinho (como antigamente no Brasil), em embalagem de plástico ou Tetrapak, mas sempre fresco, com validade de poucos dias. Só o que pode ser adicionado ao leite são as vitaminas A e D.

O objetivo é que só exista no mercado leite de qualidade e procedência, que não passou por nenhum processo químico ou de pasteurização (que danifica as proteínas e gorduras que dão sabor ao leite).

Com certeza são mais saborosos e saudáveis. Porém, são mais caros do que no Brasil. 1 litro custa $1,63.

Abaixo um vídeo sobre esta questão do leite no Canadá.

http://www.youtube.com/watch?v=jN33xm55C_k

4. Delegacias de Polícia

É curioso, mas não existem delegacias de polícia em Montréal (não sei como é nas outras cidades). Todos os policiais ficam na rua: de carro, a pé ou de bicicleta. Em qualquer emergência, rapidamente chegarão várias viaturas. Provavelmente esta é uma das razões para a cidade ser super segura.
Canadá
5. Rodo

Pois é, rodo. Não existe rodo aqui. Aliás, não existe ralo no banheiro ou na cozinha. Consequentemente, não se lava o banheiro, nem a cozinha. Então, pra que rodo não é? Nem pano de chão não existe. Para limpar o chão, só com esfregão ou com aquele pano que se prende numa coisa chapada, que se encaixa no cabo de vassoura. Seria isto aqui:



Continue a ler AQUI: Canadá segundo os brasileiros

Cadê o ralo?????

Acharam estranho a pergunta? Pois é foi essa pergunta que eu fiz assim que entramos na nossa casa e comecei a faxina. Minha gente pensem na seguinte situação: você joga baldes e mais baldes de água para lavar o banheiro e depois descobre que não tem ralo, kkkkkkkk, me lasquei. Mais um micão para a lista de estar em um país diferente do seu, kkkkkkkk. As casas francesas não possuem ralos, em canto nenhum. Ficaram surpresos? "Peraí" que vem mais. Área de serviço com um tanque pra você lavar sapatos, pano de chão e outras necessidades que toda boa dona de casa conhece, também não tem. Querem mais, essa eu achei muito bizarra, o vaso sanitário é separado da área do chuveiro, aqui existe a sala de banho onde ficam normalmente, o chuveiro, a banheira (aqui banheira não é luxo, a maioria das casas possuem) e a pia. E em outro vão, totalmente a parte fica o vaso sanitário sozinho. Com essa eu fiquei muito surpresa, kkkkkkkkk! Então vocês devem estar se perguntando como é que a gente ta se virando com essas diferenças? Lavar o banheiro agora está sendo na base de spray de limpeza e lenços antibacterianos próprios para banheiro, depois do choque eu tô até gostando, é tudo mais prático do que jogar baldes e mais baldes de água. Lavar sapato, etc e tal estamos nos virando com o chuveiro e sobre o banheiro não tem o que fazer, kkkkkkk. E assim aos poucos a gente vai se adaptando a essa nova cultura.


BLOG: Matutando com Cíntia

Era uma casa muito engraçada…

… não tinha RALO, não tinha nada!

Esse post é para falar um pouco das diferenças das casas por aqui (que devem ser similares em outros países da Europa e que têm coisas parecidas com as do EUA) em relação às casas brasileiras. Nos hotéis, os turistas não costumam se deparar com essas diferenças, mas quando se vai para uma casa ou apartamento, não tem jeito…

1- O banheiro não tem ralo. Nem a cozinha.
Ok, admito que num primeiro momento isso me deixou bem feliz, porque quando minha mãe perguntou: “tá lavando o banheiro direitinho?”, eu podia dizer que não lavei do mesmo jeito que se faz no Brasil porque não tinha como. Mas a verdade é que depois de um tempo, enche o saco limpar só com a “fregona”. Aliás, sabiam que ela é um invento espanhol? Eles se orgulham muito disso!!

2- O bidê ainda vive!
No Brasil, quase casa nenhuma mais nova tem bidê (ou será que ele voltou à moda?), mas por aqui ele segue firme e forte.

3- Banheira é quase unanimidade.
Se no Brasil banheira tem um quê de status e você passa a vida inteira sonhando em ter uma, especialmente na infância, aqui na Espanha praticamente todas as casas têm banheira, embora seja a mais simples, sem hidromassagem nem nada. E a verdade é que é uma porcaria: suja pra caramba, dá trabalho limpar e você quase nunca usa.

4- Lavanderia? Sem chance!
A máquina de lavar fica na cozinha e a roupa depois é colocada para secar normalmente em dois lugares: nesses varais montáveis, que normalmente ficam na sacada ou qualquer área externa que você tiver durante os meses mais quentes ou dentro de casa nos dias de frio/chuva; ou aqueles varais clássicos pendurados para fora de casa que fazem toda a vizinhança ver suas calcinhas. Pior que isso é só deixar a calcinha cair quando está pendurando… isso já aconteceu comigo umas três vezes!


Continue a ler AQUI: Esto es madrid, Madrid!

Na Europa não tem... ralo!

Isso mesmo caros conterrâneos. Não tem ralo na Europa. E por isso nós, brasileiros perdidos na terra gelada, sofremos. Sofremos porque não podemos faxinar o banheiro. Sofremos porque não podemos dar aquela boa escovada na cozinha. Sofremos porque não temos ralo.

Ralo. aquela coisinha tão desprezada no Brasil e que todo mundo quer distância. Por aí a gente tem ralo em tudo quanto é canto: na sacada, na varanda, no banheiro, na lavanderia, na cozinha. Até ralo na sala eu já vi! Por aqui, amigo, ralo é raridade. Na verdade, não existe um ralo de verdade. Sabe aquele ralo grandão que a gente tem que fechar pra não entrar barata? Pois é, não tem.

Acho que ralo na Europa é igual banheira no Brasil: um luxo. Sim, amigo brasileiro. Se você está de mudança ou acabou de alugar um apartamento por aqui preste atenção na falta de ralos. Não pense que você poderá fazer aquela faxina, jogar baldes de água no chão da cozinha e do banheiro, esfregar tudo com um pouco de sabão em pó, passar um pinho sol pra ficar com cheiro de hospital e depois pegar o rodo e "rapá o chão". No máximo, se contente com um paninho úmido no chão e com os milhares de produtos químicos e lenços umidecidos que prometer matar até 99% dos germes. Isso é o máximo que você vai conseguir com uma boa faxina.

Eu até que tenho "sorte" no quesito ralo, porque meu banheiro tem chuveiro e não banheira, então dá para ter o luxo e a higiene de dar uma boa escovada de vez em quando - cuidando para não molhar o carpete do quarto senão mofa tudo. Agora pensa o desespero da pessoa que só tem um ralo na banheira e mais nenhum. E para limpar, como faz? Além do meu chuveiro, meu apartamento tem outro ralo: na pia da cozinha. Isso e apenas isso. E para limpar a cozinha, como faz? Novamente, deixa o rodo encostado, pega os paninhos milagrosos e se vira.

E não é só em casa não. Nunca vi ralo do banheiro da universidade ou no restaurante. Nunca vi ralo no banheiro de restaurante nenhum, de boate nenhuma e nem na lavanderia. Parece que esse é um dos grandes mistérios da Europa: como limpar sem ralo?

Por isso que eu digo, meus amigos... agradeça todos os dias os ralos que você tem.
E torça por nós, os sem-ralos.


BLOG: Perdida pela Europa

Como não alagar seu banheiro no exterior

No último dia 15 de março, o Brasil se dividia em discussões políticas de vários tipos. Enquanto isso, eu, do outro lado do Oceano Atlântico, vivia uma questão de vida ou morte: meu banheiro tinha virado uma piscina.
Tudo começou mais cedo nesse mesmo dia, quando eu resolvi aproveitar meu primeiro domingo no apartamento novo para fazer uma faxina. Munida de um balde, bucha e produtos de limpeza, parti para a missão de limpar o banheiro tão bem quanto a amiga que divide a casa comigo, a Vale, tinha feito na semana anterior.
Depois de passar os produtos e o sabão para todo lado, parti para a fase dois da missão: jogar água. Esse é o método não muito ecológico para finalizar a limpeza dos banheiros que eu aprendi na vida: você passar sabão, depois joga água, escorre a água e Voilá, banheiro limpo!
Depois de terminar a chuva artificial na minha casa de banho portuguesa, comecei a reparar que a água não estava indo para lugar nenhum. Estava lá, ensopada no mesmo lugar. “Será que esse ralo está entupido?” Pensei, já meio desesperada. Fui tentar mexer com ele, só para descobrir que aquele círculo prateado bem no meio do meu banheiro não era ralo coisa nenhuma. Provavelmente um objeto de decoração bem do esquisito, já que ele não se movia, mas também não tinha nenhum orifício que permitisse a água passar.


Continue a ler AQUI. 360meridianos

Banheiro sem ralo. E agora?

É muito normal procurarmos pelo ralo nos banheiros da Alemanha, afinal, como fazemos no momento de ‘lavar o banheiro’? Pois é. Esta é uma pergunta que nem sempre podemos responder. Ou então, respondemos um singelo ‘aqui não se lava o banheiro’, quando esta pergunta vem de um amigo que acabou de chegar.

Pode-se dizer que ‘ralo na Europa é como banheira no Brasil: um luxo para poucos’, pois somente as casas muito grandes, com imensos banheiros, de construções mais novas (que são poucas) têm o tal do ralo.

Mas isso não quer dizer que você não poderá cuidar do seu banheiro e deixá-lo limpinho. Assim como não existem ralos, existem outros recursos e produtos para que você cuide do seu banheiro. Aqui vão algumas dicas para que este intrigante fato (entre os brasileiros) acabe de uma vez.


Continue a ler AQUI: Brasileiros em Berlim

12 de fev de 2016

VIVER NA EUROPA É VIVER SEM RALO!

Pensei que tivesse virado definitivamente a página e me acostumado para sempre em não morar em uma casa com ralos até o dia em que… tive filhos! E a partir daí comecei novamente a me dar conta que Viver na Europa é viver sem ralo!

De vez em quando as crianças deixam alguma comida ou bebida (geralmente suco, iogurte ou sorvete) caírem no chão, e tenho que dar tantas passadas de pano de chão, que tudo o que eu desejo nessa hora é uma normal casa com um ralo.

Mas já que viver na Europa é se acostumar sem manicures brasileiras, sem babás e empregadas domésticas, sem tanque de lavar roupa, muitas vezes sem varal para estender a roupa… diante dos tantos “sem” da vida na gringolândia, o que é viver sem ralo???

A coisa mais engraçada e, pela qual felizmente nunca passei, é que muitos brasileiros simplesmente resolvem dar um faxinão na casa (leia-se faxina brasileira e não faxina europeia com paninhos molhados!) e jogam um baldão de água com sabão na cozinha e no banheiro, depois colocam bastante sabão, ligam o rádio no pagode/sertanejo, e começam a esfregar com a vassoura…


Continue a ler AQUI: Roma pra você

23 de set de 2011


10 de set de 2011

Mundo sem ralo!!!

Seguindo o caminho apontado pelo Daniel e pelo René... e pelos momentos de risadas, chegamos ao momento de parada, chamado de Asprela ou Areosa... me pareciam nomes estranhos, mas estas paragens seriam meus pontos de partidas e de chegadas durante todo o intercâmbio...

Era tudo integrado o sistema de metro e de autocarros, como dizem os portugueses...

Mas chegando no apê, conheci a Simone (estudante do doutorado em Eng. de Produção - que seria um grande exemplo pra mim), o Marcos (estudante do sul do Brasil que transferiu para a Engenharia Civil da Faculdade de Engenharia do Porto), a Nayara (estava lá, estudante da UFOP, do curso de Farmácia - que estava no Porto há duas semanas, e como morava no centro da cidade, resolveu ficar no apê com o pessoal pra voltar da festa do carnaval), a ... foi muito legal conhecer o pessoal todo... faltava ainda a Marina que estava viajando pelo leste da Europa (loucura isso).

Então almoçamos uma lasanha muito boa... e depois tinhamos que arrumar a casa toda... eu ia dormir, mas a casa estava em situação de calamidade, por isso resolvemos fazer uma faxina geral.

Meu primeiro trote na nova cidade, foi escolher lavar o banheiro, vesti uma roupa confortável, despejei toda a água no banheiro todo, usei o sabão em pó, deixei de molho um pouco, e voltei a molhar o banheiro, e quando vi que estava tudo inundado o banheiro e indo para a sala, percebi que não tinha ralo no banheiro. Como assim? Após uma reflexão, e a procura do ralo não existente... meus amigos já moradores, me dizem que esqueceram de falar que não tinha ralo... e aih pra terminar a história tive que enxugar tudo pano a pano.

Como disse um blogueiro, aqui se inicia a vida de brasileiros, em um mundo sem ralo!!!


Blog: Rumo ao Porto!

7 de set de 2011

Curiosidades sobre a Holanda: como são as casas no país das tulipas?




O lance de diferenças culturais é que você é pego onde menos espera. Um monte de coisa a gente vê desde que nasce por toda a parte e aí acaba achando que “o mundo é assim”. Por exemplo, holandeses acham difícil de imaginar países onde andar de bicicleta é um privilégio, não um fato básico do cotidiano.

Eu levei vários tombos culturais na mudança pra Holanda, e levo até hoje. Um dos primeiros foram as casas. Não só o exterior tipicamente marrom, mas o interior de onde as pessoas moram. É, tem uma série de diferenças pras casas no Brasil que nem imaginava que existiam, e diversas características bem próprias que estranhei no começo.
Vamos ver algumas?

(continue lendo no link abaixo)

Blog: Ducs Amsterdam

30 de ago de 2011

Secadora: o terror do guarda-roupa



Quase dois anos de Alemanha e ainda perco roupas para a secadora. Eu, que me criei em casa, rodeada de varais, achava um absurdo, até pouco tempo atrás, secar roupa sem sol.

Aí, quando a pessoa se muda para um apartamento minúsculo, sem varal, sem tanque e sem ralo, tem que se adaptar a uma nova rotina doméstica e aprender a lidar com a secadora de roupas.

À primeira vista parece uma maravilha: 30 minutos pra fazer o que vento+sol demoram duas horas. Você tira a roupa cheirosa, quentinha que não precisa nem passar - basta dobrar enquanto está quente - e só vai se dar conta de que a sua calça perdeu cinco centímetros no comprimento quando for vesti-la no outro dia.

Nunca me esqueço do ataque de fúria do Luciano Nagel em 2009, quando tirou sua primeira leva de camisetas da secadora de roupas do dormitório do Instituto Goethe, em Bonn. Todas acima do umbigo.

Eu, depois de também inutilizar algumas peças, comecei a ficar esperta e a não colocar mais certos tipos de tecido na secadora. Camisetas de algodão, blusas de lã e qualquer tecido elástico, por exemplo, nem pensar.

Calça jeans não tem problema (a menos que seja com nylon). Meias, toalhas, lençóis e peças de tecidos que não esticam também estão fora de perigo.

Mas cuidado: calças de linho, se forem misturadas com algodão e poliéster - como a minha calça preferida, que estraguei na semana passada - NÃO PONHA NA SECADORA.


Blog: Denke ich...

25 de ago de 2011

Da série: Curiosidades


Quando a gente chega num país estrangeiro de depara com coisas muito estranhas para nossa própria cultura. Sempre me policiei a comparar as diferenças e tentar entender e respeitar os costumes.

Confesso que muita coisa não faz o mínimo sentido pra mim e as vezes acho que não se passa de algo muito idiota e ridículo hehehe, no melhor estilo tolerância zero!
Como estava muito mais interessado na natureza e nas paisagens maravilhosas da Nova Zelândia quando cheguei acabei deixando passar esses assuntos super interessantes e agora que venho lendo blogs de outros brasileiros no exterior me lembro dessas curiosidades e que não comentei a respeito delas.

As casas kiwis são feitas de madeira, muitos anos atrás mesmo as casas de dois andares eram feitas assim, hoje em dia o piso térreo é de concreto ou tijolos e o andar de cima é de madeira.
As paredes assim como vemos em cenas de filmes são facilmente quebradas por uma briga ou uma pancada, são de gesso ou de uma placa fina de compensado revestido. O resuldado são casas que fazem barulho o tempo todo e não tem isolamento térmico nenhum. Moro bemmm no sul da NZ e no inverno prova-se que essas casas não são faceis de aquecer.

Quase ninguém usa piso ou azulejos na cozinha ou banheiro, azulejos são muito caros e pisos, devido a falta de islamento térmico, são um convite a ter um iglu em forma de cozinha hehe. No lugar de piso usa-se uma cobertura de vinil que cobre o chão de madeira e é "resistente" e dura anos. No resto da casa, carpete e carpete...as vezes até no banheiro!!!!!!!

Uma coisa que eu nunca vou entender é que as cozinhas e os banheiros não tem ralo, então pra se limpar o chão nada de aguá, rodo e pano de chão, aliás rodo é uma coisa rara de se achar.
Como cozinheiro devo dizer que as cozinhas kiwis são muito mal equipadas, as pias são minúsculas e o fogão nunca fica perto da janela, as vezes o mais distante possível. A única coisa boa é a água quente disponivel na cozinha, banheiro e lavanderia, pois o aquecimento de água é central e mesmo o chuveiro não aquela maldita resistência que queima o tempo todo.


Blog: Enquanto isso na Terra Média...
Meu ralo

Hoje fiz meu showzinho aqui no edifício. Se não gostaram, não estou nem aí. Se vão me chamar de brasileira maluca, não me importa. Se tem uma coisa que me deixa nervosa, subindo pelas paredes, é que se metam dentro da minha casa. Explico. Não é comum ter ralo aqui nas casas. Na cozinha, nem pensar. Nunca fui a uma casa com ralo na cozinha. Em algumas casas, na maioria das vezes em banheiros, a gente encontra um pseudo-ralo, ou seja, é um buraco que tem uma tampa de metal, e que para tirá-la tem que desatarraxar e ser praticamente um He-Man. Ou seja, eu não consigo. O buraco serve no caso de uma inundação, para ter um lugar para a água ir embora. Quando a gente veio morar aqui no apartamento, eu pedi para que colocassem um ralo na minha varanda. Imaginem. Eu moro no primeiro andar,a varanda fica ao ar livre e não tinha ralo. Aqui não chove muito, mas mesmo assim. Não chove, mas um dia pode ser que São Pedro queira que chova. E aí?? Como é que fica? Eu vou falar para ele que não pode porque eu não tenho ralo? Enfim, depois de eu pedir muito, colocaram o meu ralinho. E claro, agora que eu tenho, eu aproveito para lavar a varanda porque fica com muito pó.

Hoje eu resolvi fazer a poda das minhas plantas porque a primavera está chegando e com ela, o sol por estas terras. Cortei, troquei a terra e coloquei remédio contra a mosca branca que ataca minhas flores. A varanda ficou um caos, então, a menina que trabalha aqui em casa me perguntou se queria que ela lavasse o chão. Eu falei que sim, já que era terra pura.

Vim para o computador e de repente escuto um blá blá blá lá fora. Eu pensei que ela estivesse falando com o vizinho, então nem fui ver o que era. Mas ela me chamou e eu acabei indo.

_Senhora, o porteiro disse que eu tenho que passar um pano na varanda, eu não posso lavar.

_Quê?? Ele te disse o quê? - já ficando vermelha.

_Ele disse que eu estou molhando o depósito lá embaixo. Ele disse para eu parar de jogar água, para eu passar um trapo se eu quiser limpar.

_ Quê?? Dentro da minha casa, eu limpo como eu quiser. E por que ele falou gritando lá de fora em vez de interfonar??

(Aqui é muito comum, os apartamentos terem depósitos na garagem, ou seja, é um quartinho, onde só se guarda treco, coisas velhas, bicicletas. Cada um tem o seu.)

E sabe o que me deixou furiosa? O porteiro falar lá de fora, fazendo um escândalo com a menina, em vez de tocar o interfone e contar o problema para mim. Se eu soubesse que havia este problema, primeiro: teria chamado o síndico, segundo: se não estivesse consertado o problema ainda, não jogaria água porque eu não sou maluca. E sabe porteiro puxa-saco? Então, adora puxar um saco de algumas pessoas daqui do prédio.

Quando a empregada me contou o problema, eu que estava de havaianas, joguei as havaianas para o alto, coloquei as botas e saí enfurecida para falar com ele. E não é que ele estava na porta da minha cozinha, quase tocando a campainha? Provavelmente, escutou algumas coisas que eu disse na varanda. Aí, ele mudou o tom. E eu lhe disse que se tivesse algum problema, que ele falasse primeiro comigo, depois com o síndico, e que não ficasse gritando lá de fora. E que se ele sabia antes do problema, deveria ter avisado antes a mim e ao síndico, e não gritado daquela maneira com a menina. E que se ele sabia mesmo que isso acontecia, como ele estava me contando, deveria ter dito isso há muito tempo para consertar. Tudo com o sangue quente, fervendo e claro, não sou da Bahia, mas rodei a baiana. Pensando agora depois que passou, foi até cômico. À medida que eu ia falando, o porteiro ia retrocedendo os passos. Sabe desenho animado? Quando o monstro abre a boca para dar um rugido e todo mundo vai andando pra trás até sair voando.

Não é a primeira vez que este homem me dá nos nervos. Outro dia, eu estava andando à vontade na minha casa quando vejo um senhor com a cara no vidro da minha varanda, sem eu saber quem era, olhando toda a minha casa. Eu, que estava sozinha em casa, quase morro de susto e quando vi, o cara estava numa escada, raspando a parede. Era o pintor. Que pintor? Se ninguém me avisou que ia haver um pintor olhando para minha casa? Desci com uma raiva e quem estava ali? O tal porteiro. Ele tinha mandado o cara pintar a minha parte sem me avisar. Ou seja, escolhemos um apartamento sem vista para outro apartamento justamente porque não queríamos "olhos" dentro de casa e quando eu vou para a sala, quem eu encontro? Uma cara no meu vidro, olhando toda a minha casa. Desci furiosa e falei que qualquer pessoa que fosse trabalhar de cara para minha casa, eu deveria ser avisada e não encontrar de repente uma pessoa quase dentro da minha sala.

Blog: CHOLITAS

Aqui e diferente


Nao lembro se ja comentei sobre coisas do cotidiano que sao diferentes aqui. Talvez tenha escrito sobre isso logo que cheguei, quando as diferencas eram mais gritantes aos meus olhos.

Dentro de casa, por exemplo:

* A maioria dos comodos nao tem luz no teto. Essa me chocou muito quando cheguei. Somente a cozinha, o banheiro e a sala tem lampadas no teto. O resto da casa nao tem e voce se vira com abajures. Tem uns que sao compridoes e ficam no chao. No geral as casas aqui sao pouco iluminadas.

* Nao ha ralos no chao do banheiro, a nao ser dentro da banheira. Ou seja, aqui nao tem essa de lavar banheiro. Ate porque as casas sao feitas de madeira. Aqui e tudo na base do paninho mesmo.

* Nao ha tanque e muito menos area de servico. Isso eu ja ate falei aqui. Bem, eu ja fui em casas que tem areas de servico, mas e muito muito raro. Eu dei sorte que minha lavanderia e um pouco maiorzinha que o normal. Cabe a maquina de lavar e a de secar (que fica em cima da de lavar, pendurada na parede). Cabe uma pessoa la dentro e eu tenho um movel pequeno e prateleiras de metal pra guardar os produtos de limpeza, roupas pra passar, etc. Mas e um cubiculo, literalmente.

* O fogao e eletrico. Novamente, voce ate encontra fogao a gas, mas o eletrico e mais comum. Se acabar a luz, ja era.

* Quando voce entra em casa (qualquer casa) voce tira os sapatos. Todo mundo deixa os sapatos na porta da casa e fica descalco dentro. Como tem muita casa com carpete, e um jeito de nao sujar muito. Mas tem a ver com o inverno tambem, quando os sapatos ficam cheios de neve e molhados. Por isso ficam todos na porta.

No transporte publico:

* Se voce esta num ponto de onibus, nao precisa fazer sinal pro motorista parar. Ele VAI parar. Eles param em todos os pontos se 1) tem gente pra descer ou 2) tem gente pra subir.

* Nao tem trocador. O motorista recebe a passagem. Quer dizer, ele nem toca no dinheiro, tem uma maquininha do lado dele pra voce depositar as moedas. Voce tem que ter o troco certinho pra pagar a passagem porque a maquina nao da troco. Grande parte das pessoas usa o passe, um papelzinho que marca a sua validade.

* Ha somente uma companhia de transporte, integrada. Todas as linhas de onibus sao da mesma companhia. O metro e a barca tambem. A passagem vale por 1 hora e meia. Voce pode usar tudo que quiser dentro deste periodo. Ha passes mensais tambem.

* Os onibus tem suporte para bicicletas na frente. Voce tambem pode entrar com bicicletas no metro em horarios permitidos.

(Tenho que ir agora, buscar Andre e ir pra casa pegar as chaves de casa e pagar o trabalho! Torcam por nos, depois eu conto mais da saga do piso…)


Blog: Colorida Vida
Eu Faxino-Tu Faxinas-Elas Não Faxinam.


Sabe aquela faxina de jogar água, limpar vidros e escalar telhado que sua mãe , empregada, avó e vizinha costumam dar toda semana as sextas-feiras? Aqui na Irlanda esquece, em um país que não existe ralo na cozinha, nem no banheiro, não é novidade que a limpeza seja reduzida a tapiações, até porque segundo a tradição, faxina das boas, acontece é na primavera.

É o que eles chamam de Spring Cleaning, é quando a família inteira (ou quem não fugir) se reune para fazer aquele faxinão, limpar vidros, as áreas esquecidas no resto do ano e aproveitar para jogar fora todas as coisas que não são mais úteis a casa e até ao guarda-roupa.

Nos países de clima frio, com inverno rigoroso essa prática é bem comum e o objetivo é renovar o ar e se preparar para abrir as janelas que ficaram fechadas durante os 6 meses anteriores.

Depois ainda tem gente (oi mãe!) que me pergunta porque eu gosto tanto da Irlanda.
Imagina a felicidade que é não ser pressionada a faxinar pesado toda semana ?!

Aliás, o segredo é esse, eu não funciono sob pressão (tá?), acho que o aspirador aqui de casa sofre da mesma síndrome...e vivemos todos em harmonia, afinal, temos que nos adequar a cultura do país em que vivemos, não é mesmo?

Mas ó, eu juro que o banho diário continua firme e forte.


Blog: Ká.Entre.Nós
Algo do Brasil me faz falta?


Bom, meus companheiros do blog já comentaram em seus respectivos posts que o que faz falta mesmo são a família e os amigos. Portanto, vou pular essa parte, e vou direto aos desejos materiais.

Acho que de modo geral, quando você desembarca em um país estrangeiro (para viver por tempo indefinido), você estranha tantas coisas que parece que tudo do no Brasil faz falta. Mas aí o tempo passa, e você percebe que tem que colocar em pratica aquela palavrinha mágica de todo o imigrante: “adaptação”.

Quando eu cheguei à Espanha, senti falta de muitas coisas. Como disse a Carla Guanais no seu post da Itália, também senti falta de um ralo no banheiro (e na cozinha). Na Espanha não existe ralo (o que eu nem acho tão grave, porque evita a indesejável entrada de insetos). Até o dia que eu descobri a fregona (foto), uma invenção espanhola, que eu acho bem prática. Agora que eu sou um exímio piloto de fregona, o ralo não me faz mais falta. Falando em ralo, desde que cheguei aqui há 7 anos, nunca mais vi uma barata.

Acho que o quesito comida é “hors concours”, para qualquer imigrante. A Espanha, na minha opinião, é um fracasso no que se refere a doces (comentei isso no meu post: Orelha de Porco e outras bizarrices). Como eu não sou fanático por doces, não tive maiores problemas, mas admito que para quem adora aquele docinho brasileiro, as opções aqui são muito restritas. Outra coisa que a Espanha não supera (mesmo) o Brasil, é no quesito “carnes”. Não são ruins, mas para quem gosta de uma bela picanha, é triste. Entre uma adaptação e outra, no que se refere à comidas de modo geral, não tenho maiores problemas.

Não como doces, encontrei umas 2 ou 3 opções de carnes razoáveis, e do resto, estou bastante satisfeito com os produtos que encontro aqui. Aliás, morar na Europa te dá a possibilidade de encontrar milhares de produtos de outros países europeus no supermercado. Você encontra tantos queijos, tantos iogurtes, tantos pães, biscoitos, vinhos, cervejas, etc, e isso enriquece sua opções culinárias, e te ajuda a superar a falta de alguns produtos.

O único produto culinário que não tem substituto aqui é a farofa. Aí você tem que apelar á família quando vêm te visitar ou alguma loja de produtos brasileiros ou latinos (que são relativamente fáceis de achar nas grandes cidades).

No que se refere ao ócio, aqui existe uma excelente oferta de livros e revistas, e eu que sou devorador de obras de história e politica, encontro de tudo. Tem muitos livros de história e política publicados na Espanha que ainda são inéditos no Brasil. Outra coisa que me deixa enlouquecido de felicidade é poder comprar nos sites da Amazon e do Ebay tudo que eu gosto no que se refere a cultura (livros, filmes e musica), sem pagar impostos e por preços mega econômicos.

O meu problema aqui na Espanha no quesito ócio é um só: ”filme dublado”. Não existe filme legendado, é tudo dublado. E eu tenho a impressão que a Espanha só tem um casal de dubladores, porque as vozes são muito parecidas em todos os filmes. A voz do James Bond é idêntica a voz do Shrek, e por isso eu já descartei ir ao cinema na Espanha há muito tempo. Gosto de filmes, mas menos mal que não sou fanático. Tenho amigos no Brasil que são cinéfilos, amam cinema a ponto de dormirem mal de ansiedade para ir a estreia de um filme. Aqui na Espanha, eles pegariam uma mega depressão.

Cada um tem suas necessidades e cada pessoa é um mundo. Pessoalmente, eu acho que na Europa as carências são mínimas. A abertura de um mercado comum Europeu colocou nas prateleiras milhares de produtos dos 27 países membros da UE e isso para mim foi tão impressionante, que eu paulatinamente, fui mudando alguns hábitos e hoje consumo produtos que antes nem conhecia.

Posso quase apostar que, para muitos de nós, hoje a situação seria inversa: Se voltássemos a viver no Brasil, sentiríamos muita falta de produtos que hoje consumimos nos países onde vivemos atualmente.


Blog: Brasil com Z

24 de ago de 2011

Coisas que me fazem falta na Itália



O fato de estar fora do seu país sempre leva à pergunta: do que sente mais falta. Claro que família e amigos é a primeira resposta, sem dúvidas. Mas não é esse o tema do post. Quero sim falar sobre coisas que me fazem falta, coisas materiais que não se encontra aqui, ou aquelas coisas que já estava acostumada no Brasil e que não encontro do mesmo jeito, mesma qualidade ou forma.

No Sonhos na Itália escrevo a série “Por aqui é diferente”, e lá pontuo tudo aquilo que pra mim é diferente, não que seja melhor ou pior, apenas diferente. E algumas coisas que colocarei aqui já falei lá, algumas diferenças fazem falta, hahaha. Vamos lá:


- Sinto falta de absorvente Sempre Livre Adapt. Não é propaganda, hahaha! É que não me encontrei com os daqui ainda, muito grossos, largos, estranhos… Saudades do que eu usava, fino, discreto, estreito atrás, rs… Talvez com o tempo, até eu testar todos, pode ser que eu encontre um preferido, por enquanto, nenhum!



- Sinto falta de um tanque e um ralo no chão do banheiro, cozinha e varanda (coisa de dona de casa?? rs). Pois é, por aqui não tem ralo, nem tanque. Faz falta quando se quer fazer uma faxina mais pesada, jogar uma água para limpar o chão ou um tanque para lavar roupas que não precisa ser lavada à máquina, etc. Pois é, mas isso per forza terei que me acostumar.



- Sinto falta de doce-de-leite, pé-de-moça, doces com côco, e todos os doces brasileiros que não se encontra por aqui. Meus sogros vieram agora e me trouxeram, huuummmm… Por mais que a Itália tem doces maravilhosos, nada como aquele que lembra a nossa infância né? E é engraçado, pois o leite italiano é maravilhoso, por isso têm tantos queijos e iogurtes, mas não têm doce-de-leite. Eles na verdade não são chegados nos doces muito doces.


- Sinto falta de frutas comuns no Brasil: goiaba, manga, mamão. Frutas que até é possível de encontrar por aqui, mas por um preço altíssimo e não é saboroso como o “nosso”.


- Sinto falta dos modelos de calças jeans brasileiros. Ainda não me encontrei por aqui. Os “cavalos” são muito altos, vestem estranhamente…. Mas uma coisa já achei melhor as daqui, são mais compridas, então para mim que sou alta, fica mais fácil de encontrar uma que vá vem nas pernas, que não fique “pula brejo”. Porém, o que adianta ficar comprida nas pernas e não cair bem na cintura e cavalo… pois é!!


- Sinto falta também das calcinhas intermediárias entre as “calçolas” (as grandes, rs) e as “tangas” (aquelas fio-dental). Por que por aqui é 8 ou 80. Ou cobre o bumbum todo ou não cobre nada! Hahahaha! Talvez um dia eu ache…rs.


- Uma outra coisa que não fez falta para mim especificamente, mas para a minha sogra que é diabética e está aqui a passeio: produtos Diet, sem açúcar. Não existe! Não existe sorvete diet, não existe produtos sem açúcar nas prateleiras. Apenas o adoçante mesmo e a Coca Zero. Será que a Itália não tem diabéticos? E se tem, como sobrevivem sem um gelato e docinhos deliciosos??? Bem, isso vou ter que descobrir ainda, rs.

Bem, acho que por enquanto é isso! Claro que tudo é adaptação. Estou aqui pouco mais de 7 meses, talvez daqui um tempo não sinta falta de nada, ou então, sentirei mais falta ainda. Vai saber! rs.


Blog: Brasil com Z

8 de abr de 2011

Meu segundo dia!


Hi people!!

Vim aqui denovo postar no blog.
Hoje, dia 25/05 e meu segundo dia aqui e parece que ja faz muito tempo.

Meu primeiro dia aqui foi muito legal, o pessoal estava me esperando com uma plaquinha e me trouxeram de carro pro meu destino. Quando estavamos vindo pra ca, mais ou menos 01 hora de carro eu vi muita coisa linda. As casas aqui sao muito lindas, como as casas dos filmes, eu prometo que vou postar algumas fotos aqui, mas acontece que o carregador do laptop tem "tomadas do Brasil", tipo aquelas redondinhas, e aqui so tem tomadas daquelas retinhas (entenderam?), entao eu tenho que comprar um adaptador internacional aqui na proxima vez que eu for no WalMart...enfim...agora eu to no computador que tem aqui,rs.

As aulas aqui sao bem legais, no primeiro dia nos fomos no Walmart pra ver as coisas que a gente quer comprar e tambem para nos comunicarmos com as pessoas, nos tivemos que perguntar precos e localizacoes para as vendedoras, coisas assim...foi muito maneiro, depois nos fomos no "Dolar Tree", eh um lugar onde a gente pode comprar TUDO por 01 dolar...(mas nao eh igual ao nosso R$1,99 que a gente pode achar tudo por R$11,99 or R$12,99, enfim, tudo por R$??,99,hehe) TUDO mesmo eh 1 dolar. Voce pode comprar sabao pra lavar roupas, muita comida so por 1 dolar. Nos tambem aprendemos muitas coisas na aula, temos praticado muito a leitura e como nos comunicar com as pessoas.
E tambem poxa, nos praticamos todo dia, no cafe da manha, no almoco, no jantar,hehehe, pra falar a verdade, nesse momento em que eu to escrevendo aqui no Blog eu estou pensando em Ingles (seeeerio), eu ja nem consigo mais pensar em portugues, eu fico aqui transformando palavras,hehe.

Hoje foi muito legal tambem, eu queria comprar algumas blusinhas pra vestir, porque diferente do que eu pensei, aqui ta beeeem quente, entao perguntei se nos poderiamos ir a um lugar barato pra comprar umas blusinhas, entao, nos fomos numa loja chamada "Family Store" e tem coisas muuuuuuuito baratas, eu comprei 04 blusas bonitinhas por 8 dolares no total, no dolar de hoje da R$16,00. (o dolar ta mto caro =/).

Eu acho que semana que vem vamos ao Safari :D

Eu to gostando muito de estar aqui e queria agradecer a minha mae e meu pai por terem descoberto esse curso pra mim.

Curiosidades: Aqui nao tem ralo, so no chuveiro mesmo, eles nao jogam agua em nada...outra curiosidade, pra limpar os banheiros ou o chao, eles so passam um pano com algum produto "magico" deles,rsrs, pra limpar o box tambem tem um produtinho "magico" / Eles nao usam sabao em po aqui, eles usam um tipo de detergente para roupas / Eles nao colocam papel higienico na lixeira, ele jogam nov aso mesmo (eu demorei pra descobrir isso, espero que eu nao fique mal acostumada / Aqui na Pensilvania existe um grupo de pessoas que sao chamadas de "AMISH" e tem tambem os "MENONITAS", eles sao conhecidos pelos costumes conservadores, eles usam longas barbas quando se casam, andam em carrocas, nao usam eletricidade. Eu passei por uma carroca deles e tirei uma foto, quando da zoom da pra ver um cara com um barbao..depois eu coloco aqui,hehe.

Gente...to saindo agora, dpeois eu volto aqui contando mais coisas...beijosss, com suadades de todos, e beijos pra TODO MUNDO que entrar aqui,rs.


Blog: Destino: Lebanon
Irlanda - Curiosidades

A Irlanda é um país especial que vai ocupar muito mais espaço do que os outros neste blog. Como a gente mora em Dublin, temos muito o que falar sobre as atrações e os costumes dos irlandeses.

Vou dedicar o primeiro post só com curiosidades da também chamada de Emerald Isle




- A Irlanda tem duas línguas oficiais: o inglês e o gaélico (também chamado de “Irish”). Em Dublin, é muito raro escutar alguém conversando em gaélico. Na verdade, apesar de serem obrigados a estudar o idioma na escola, poucos irlandeses têm o domínio da língua. Os turistas só se deparam com o gaélico em algumas sinalizações de rua e em placas nos transportes públicos.



- Assim como na Inglaterra, os motoristas dirigem do lado direito do veículo. Como quase o mundo inteiro usa outro sistema de direção, o governo tenta evitar acidentes com turistas, escrevendo no chão das vias para onde o pedestre deve olhar antes de atravessar.




- Os dois primeiros números da placa do carro indicam o ano que ele foi fabricado. de nada adianta cuidar bem demias do possante para ele parecer novinho porque a placa vai desmentir.

- Se o veículo tiver um adesivo com a letra L em vermelho, significa que quem está ao volante é um learner, ou seja, aprendiz



- Não tem cobras na Irlanda. É verdade, você jamais vai encontrar esse réptil por aqui. Diz a lenda que São Patrick, padroeiro do país, expulsou todas as cobras da ilha e elas nunca mais voltaram. Mas há alguns céticos que atribuem a ausência do animal ao clima gelado.

- Por falar em Saint Patrick, o dia dele, 17 de março, é o mais festejado do país. Todo mundo se veste de verdee sai às ruas no maior clima de carnaval!

- A lei proíbe que o comércio distribua sacolinhas de plástico. Quem não tiver bolsas ou mochilas para carregar as compras, precisa pagar pela sacola. A mais barata custa em torno de €0,20, mas dependendo do tamanho e da qualidade pode chegar a mais de €1,00. Como a maioria dos supermercados não tem estacionamento e os clientes quase sempre fazem compras a pé, é muito comum ver pessoas carregando galões de leite, pizzas e papel higiênico na mão no meio da rua.

- As máquinas substituíram as pessoas em alguns supermercados. É comum encontrar caixas self-service, onde o cliente sozinho passa as compras, coloca o dinheiro, pega a nota fiscal e o troco. Adoro este tipo de caixa porque me livro de todas as moedinhas que tenho na carteira.

- A comida típica da Irlanda sem dúvida nenhuma é a batata. Vale de tudo quanto é jeito, frita, assada, purê, cozida... Assim como na Inglaterra, o prato "fish and chips" é idolatrado tanto por turistas quanto por locais.

- Os irlandeses costumam comer no café-da-manhã um feijão que vem enlatado com molho de tomate e tem gosto levemente adocicado. A gente também come este mesmo feijão, só que antes refogamos alho e cebola e também colocamos um pouquinho de sal.

- A bebida mais consumida aqui é a famosa cerveja preta Guinness. Em Dublin, tem até uma "fábrica" que pode ser visitada pelos turistas (http://www.guinness-storehouse.com/). Já me contaram que depois de doar sangue ou depois de lar à luz, as pessoas recebem Guinness no próprio hospital para ajudar na recuperação. A marca virou sinônimo de vigor e força.



- Outras bebidas irlandesas são o Jameson Whiskey e o cremoso Baileys

- O anel claddagh é uma jóia típica irlandesa e geralmente usada como anel de casamento. As mãos indicam amizade, o coração simboliza o amor e a coroa representa lealdade. O anel é mais comum, mas é possível achar brinco, pulseira, colar e até enfeite de parede com este símbolo. Acho lindo e tenho quase tudo!!



- Dublin é dividida pelo rio Liffey. Ao norte do rio, os códigos postais são ímpares (exemplo, Dublin 1, Dublin 3...) e ao sul, são os números pares. Há uma certa rivalidade entre os moradores das duas partes. Mas é certo que na região sul ficam os bairros mais chiques.

- Algumas casas, em vez de números, tem nome na frente. A primeira casa que moramos chamava Avalon House. O taxista demorou muito para achar. Imagina os carteiros?

- Não existe conta de água para residências. É isso aí! Você vai tomar banho e não vai pagar pela água. Mas não é por isso que deve desperdiçar esse bem precioso.

- Os banheiros não têm ralo, nao tem interruptores e quase nenhum tem tomada. Sempre é preciso acender a luz pelo lado de fora do banheiro.

- A arquitetura de grande parte das casas de Dublin segue o estilo georgiano. São todas iguais e o que diferencia uma residência da outra são as cores da portas.



- Um paraíso de compras daqui são as lojas Penneys. Tudo é absurdamente barato. Tem roupas masculinas, femininas e infantis e ainda tem uma seção só de calçados e outra de artigos para casa. Já vi calça jeans por 1 euro na promoção. Mas de qualquer forma, o preço normal seria por volta de 10 euros.

- Outra maravilha para os consumidores daqui é a política de retorno das mercadorias. Por exemplo, aqui você pode comprar uma roupa, experimentar em casa e se não gostar, pode voltar pra loja e pegar o dinheiro de volta. Claro, se estiver com a nota fiscal!

- Feriados: Na Irlanda, os feriados são chamados de Bank Holidays, na maioria das vezes, eles caem na segunda-feira e não há motivo nenhum para comemorar a data.

- Sexta-feira santa é chamada de Good Friday. É o único dia do ano que não se pode vender bebida alcóolica no país.

- Por falar em bebida, elas são vendidas em supermercados e em lojas chamadas Off-License. Horário limite de comprar o booze: dez e meia da noite.

- O aniversário mais celebrado por eles é quando comemoram 21 anos. Tanto as meninas quanto os meninos fazem uma big festa. Acho que daria para comparar com a festa de 15 anos do Brasil.

- Irlandeses famosos: Pierce Brosnan, Colin Farrell, Enya, Damien Rice, U2, The Cranberries, The Corrs, Westlife, Samuel Beckett, James Joyce, Oscar Wilde.

- Filmes que mostram Dublin e arredores: Once e P.S I Love You. Os dois filmes têm uma trilha sonora maravilhosa!




Blog: Mala ou Mochila
(Ela disse que esqueceu de falar do ralo, mas o espírito é o mesmo)



Por aqui é diferente...


Uma das coisas mais divertidas em enfrentar uma vida em outro continente, outro país, são as diferenças. Descobrir cada uma delas, perceber a diferença cultural e também de educação é bem interessante.
Logo de cara que cheguei aqui, para pegar o trem e metrô, se compra bilhetes em máquinas eletrônicas ou no bar. E esse bilhete tem que ser validado em uma das maquininhas da estação, alguns burlam a fiscalização e andam sem bilhete ou sem validá-lo, italianos geralmente não fazem isso, são bastante honestos. Nos ônibus a mesma coisa. Não tem cobrador, você tem que validar o bilhete na maquininha, quando tem.






Depois, chegando em casa, as diferenças:

- O chuveiro é de mão, com suporte para encaixá-lo para usar como ducha.





- Algumas casas não têm chuveiro com box, e sim as banheiras (vasche);





- Não tem tanque de lavar roupa! (pois é..)
- A geladeira normalmente é embutida no armário, assim como o escorredor de pratos e o forno-fogão.
- Não se acha muita variedade de sabonete em pedra (mais comumente utilizado no Brasil), aqui se usa mais o sabonete líquido, bagno sciuma ou bagno crema.





- Não existe rodo. Então nada de querer passar pano úmido no chão com rodo, aqui se usa o mocio. (Prático, não precisa molhar as mãos, torce no balde mesmo).





- Os banheiros ainda têm o bidê. E há uma forte campanha contra o uso de papel higiênico (que aqui a maioria joga no vaso sanitário mesmo).








Ma 'pera lá! Ter que se lavar toda vez que fizer até xixi é dose né? Bem, eu sou contra jogar no vaso sanitário, na verdade não é nem uma questão de ser contra ou a favor, é questão de costume mesmo. No Brasil não se joga porque entope a tubulação que é estreita demais. Porque na verdade, poderia, como aqui, já que os papéis deste tipo são biodegradáveis. Mas aqui a maioria joga no vaso mesmo, e não tem nem cestinho de lixo no banheiro, aí é que vem a pergunta: e os absorventes íntimos femininos, como é que ficam, ou melhor, para onde vão? É, gostaria de saber. Porque boa parte é composta de plástico, e no vaso é problema na certa. E dificultaria muito o tratamento desse esgoto.

- É difícil achar shampoo e condicionador (balsamo) separadamente, a maioria dos shampoos que encontramos é 2 em 1 (que detesto). Talvez por isso as italianas são "meio descabeladas", com a "juba armada" mesmo. hahaha.. italiana com chapinha só na televisão!! Mas acho legal isso nelas, assumem a cabeleira mesmo. E a maioria não tem cabelo liso não!! rs.

- Outra diferença nas mulheres: maquiagem! Sempre e muita! Se vir uma mulher sem muita maquiagem na rua pode apostar que não é italiana. hahaha. Abusam sempre da base (que tem um nome engraçado: fondotinta), lápis, rímel e tudo o mais. E sempre andam bem arrumadas, apesar de que algumas exageram e ficam muito peruas e, às vezes bregas, hahahaha.





Bem, essas são algumas das diferenças. Claro que aos poucos vamos notando outras, curiosas, estranhas ou não. O importante é estar aberto a aceitar as diferenças, aberto para o novo e para o desconhecido.
Baci e até mais!


Blog: Sonhos na Itália

7 de abr de 2011

Oi galera!

Este artigo será especialmente, para os que nunca vieram a Londres e aos que acabaram de chegar com a função de refletirmos sobre essa cidade. Conhecendo Londres e suas estranhezas, podemos pensar melhor sobre como essas pessoas vivem aqui, porque nos parece serem tão secos e porque têm uma linguagem tão direta.
Vocês não tinham ou não têm a impressão que Londres é chique? Afinal, aqui é primeiro mundo.
Quando cheguei em Londres, pensava isso e comecei a me perguntar “porque tinha a impressão de que Londres era linda, chique e totalmente civilizada, porque agora não acho isso!” Aí com o tempo descobri que é como o Rio de Janeiro, todos falam que é a cidade maravilhosa, mas quando você vai chegando no Rio, ou quando anda pelas ruas do centro ou pela rodoviária, você vê que não é bem assim. É uma cidade que tem pontos turísticos maravilhosos mas que falta muita coisa. Não é falando mal, só quero desmistificar o que pensam de Londres. Pelos vários sub-empregos que nós ( brasileiros) somos submetidos,especificamente, quando chegamos, nós vemos Londres com outros olhos, a Londres atrás dos bastidores, aquela antes dos locais funcionarem e das ruas estarem limpas.E logo percebemos que não existe apenas os branquinhos de olhos azuis e lindos prédios antigos.
Mesmo querendo contar como é, não vou conseguir retratar a realidade, e nem a verdade, afinal, vou falar sobre as minhas impressões, ou seja, será o meu ponto de vista.

Descobrir
Bem, você descobre que a população que vem de fora é o que faz sustentar o país.
Você descobre que ninguém vai parar você para pedir passaporte para saber se está legal no país, por isso nunca ande com passaporte, no máximo uma cópia ou melhor ainda, um ID ( algum cartão que te identifique) porque se roubarem o seu passaporte, fica complicado. Só vão pedir o passaporte na entrada e na saída do aeroporto, e se você estiver no lugar errado, com a pessoa errada no momento errado.
Você descobre que há ladrões, muito bons, bem diferente daquele brasileiro, que é um ladrão escancarado. Minha carteira sumiu dentro do McDonald ali na Holborn, e um mês depois de uma amiga num dos Café Nero, em Holborn. Simplesmente, uma bolsinha pequena com cartões dinheiro e passaporte sumiu da bolsa dela.Como? Não se sabe!O engraçado é que deixaram chave, passaporte no mesmo McDonald que eu perdi a minha carteira.
Você descobre que não é frio o ano todo  O verão é verão, tem muito calor, mesmo atingido apenas 26 graus. Acredite! Não precisamos de blusa quando é verão, a não ser, para se proteger do vento, que acontece em qualquer estação e é um vento frio.
Você descobre que tem que pagar aluguel adiantado, isto é, fazer o tal depósito, e que em geral, o aluguel é pago por semana. A não ser uma casa que você alugou e está será paga por mês.
Descobre que tem que tirar Insurance number para trabalhar, e se possível abrir conta corrente no banco. O Barclays abre uma conta simples e você não paga nada de taxa. O Lloyds já é mais complicado. Porque? Eu não sei. O HSBC abre com a apresentação da carta da escola que você estuda, e até tem conta corrente específica, para quem é de fora, mas paga taxa de 8 libras por mês.
Descobre que as verduras tem menos sabores porque? Porque como dizia Gonçalves dias “Minha terra tem palmeiras, onde canta o Sabiá; as aves, que aqui gorjeiam, não gorjeiam como lá.(…) “Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida” no teu seio “mais amores”.” Em Londres, você começa a perceber que isso é verdadeiro.
Descobre que tem muitos ratinhos no metrô, e que ele é muito bem sinalizado. Não dá pra se perder.
Descobre que as pessoas, em geral, são educadas, pedem “desculpas”, pedem “por favor”, agradecem com facilidade. É como se tivesse gravado no cérebro delas: use a palavra mágica. Mas há muita gente estúpida nas ruas, especialmente, quando abrem guarda-chuva. Poxa vida! Elas se atropelam ali no centro sem chuva, imagine com chuva, que nem sempre é chuva, e sim chuviscos. Porém, o céu sempre está nublado, quando abre o sol você até se sente melhor, afinal nosso Brasil tem muito sol.Talvez é o que eu mais sinto falta.
Descobre com ingleses, ou com um próprio amigo brasileiro, que o chá quente é uma tradição para eles. E que também têm o costume de bebê-lo com um pouco de leite. Pode achar estranho, mas se experimentar vai ver que não tem nada demais, pode até pegar o costume. Afinal, chá quente com clima frio, combina.

Outros detalhes:
Mas o mais interessante são pequenos detalhes, do tipo: os banheiros. São limpados com produtos, mesmo porque se usar água, ela não tem para onde escorrer. Isso mesmo. Já reparou, não tem ralo no chão. Existem banheiras e a água do chuveiro tem que ser temperada, como no caso da cozinha, que também não tem ralo e água tem que ser temperada, correndo o risco de queimar a mão. 
E quando você pega um chuveiro desrregulado, naquele frio, concerteza vai passar raiva. Já passou por isso? Você na pressa, e o chuveiro fica com a água muito gelada ou muito quente e você se queima?
Ah falando da água. Você percebe que tem muito cálcio, e devido a isso, seu cabelo cai muito. Você até acha que está com a algum problema de saúde, mas é uma estranheza normal.
A maioria das casas não tem garagem. O carro é está estacionado na frente da casa. Se você sair de Londres, indo pelas marginais, você encontra modelos de casa, diferentes, com garagens, especialmente no interior da Inglaterra.
Achei um barato saber que contas de água, de luz, não vem todo mês. Onde morei, a conta vinha uma vez por ano. E o gás que vem pelos canos, não se compra por quantidade, se paga por ano também.
Tem taxa para tudo também. Você pode pagar internet, telefone e TV junto, é o caso da Sky. Eles oferecem esse serviço como temos no Brasil. E também temos que pagar a licença para ter Tv.
Poxa vida! Não tem rodo em Londres. Eles nunca viram essa praticidade. O que tem é “mop”, é algo feito para esfregar chão. Nojento. Mas se tudo você se acostuma, até o frio que congela os dedos.

Estações/ Horários
Algo interessante, e as pessoas no Brasil ficam curiosos em saber, é as estações e os horários.
Bem, a diferença é de 4 horas na maior parte do ano. Mas em setembro muda o horário no Brasil, aí fica 3 horas de diferença. Logo depois muda em Londres, ficamos com a diferença de apenas 2 horas. Em fevereiro muda o horário do Brasil denovo, volta a termos a diferença de 3h. Logo depois Londres, voltamos a 4 horas de diferença.
Interessante dizer que no inverno de Londres, às 16h está anoitecendo e umas 10h da manhã que começa a amanhecer. Já no verão, é uma maravilha! Você até percebe que as pessoas sorriem mais. Amanhece às 5h da manhã e anoitece lá pelas 21h.

Posto de Saúde
Cada região que você mora deve ter um postinho, você deve se cadastrar,levando inclusive comprovante de residência. Você será bem atendido, mas tem que o visto acima de 6 meses.
Conversando com uma brasileira, ela me disse que as grávidas não podem escolher se querem cesária ou parto normal. É parto normal, se houver complicações, faz a cesária. Demoram até 3 dias para dar a parto.

Amam o Brasil
Em geral, percebi que as pessoas gostam dos brasileiros, porém referem sempre as mesmas coisas: futebol, carnaval, samba, Rio de Janeiro, São Paulo, caipirinha. Alguns falam da Bahia, outros citam Ronaldinho e Gisele Bundchen. Conheço projetos de capoeira,percussão e até maracatu, onde tem mais “ gringo” que brasileiros.

Pois é, amigos brasileiros, e há tantas outras diferenças. O importante é tentar se adaptar porque senão pode ter uma vida insuportável e até depressiva. Caso queiram enviar este artigo para amigos, entre no blog: http://shirleynunes.wordpress.com Até na próxima semana See ya!


Blog: Shirley Nunes
coisa de Londres 1

Casas: jah morei em 5 e conheci pelo menos mais umas 15, dah pra tirar uma conclusao do que rola. O que acontece muito eh alugar quarto aqui, num predio enorme onde nao existe cozinha e os banheiros sao comunitarios. Uma vez morei 2 semanas em um lugar assim e nao aguentei mais. A localizacao era otima, ao lado do Hyde Park, mas o predio era mais velho que o Brasil, gente... Tinha mais de 600 anos. Descobri como abrir um banheiro desativado que ninguem usava e aih ficou menos deprimente, tomava um banho limpinho, hehe...


banheiro

Nao me conformo com os banheiros de Londres, pra comecar, o toilet eh separado do bathroom, no banheiro que soh tem a privada tem carpete (nojento neh?). Tambem nao existe bide aqui, nem aqueles chuveirinhos ao lado do vaso. E nao tem ralo no banheiro, alias, nunca vi um ralo aqui em Londres, daqueles grandoes, de abrir e fechar para nao entrar barata.

A banheira fica em outro banheiro. Digo banheira pq tambem nao existe chuveiro, ou melhor, sao rarissimos... Ducha Corona nem pensar!!! Eh uma banheirona branca com um chuveirinho pequeno que eu sofro toda vez que preciso lavar o cabelo. Maior trampo, porque tenho que ficar sentada, lavando minha caabeleira com uma mao e segurando a agua com a outra.

A pia tem duas torneiras, uma quente e uma fria. A quente eh tao quente que queima e a fria congela. Ficava pensando se eh tao dificil fazer uma conexao para misturar as duas aguas. Descobri depois que eh porque eles o ralinho e enchem a pia de agua pra lavar o rosto, nao lavam com agua corrente. Credo!

E tambem tomam banho de toalhinha... sei nao!!!


cozinha

Nao tenho muito o que reclamar pq sao todas equipadas, mas na cozinha nao tem ralo no chao, ou seja, pra lavar com balde, esfregar a parede nao dah... Minha prima quase teve um ataque quando chegou em casa e eu estava quase jogando uma bacia de agua na cozinha. Outra coisa que abomino eh encher a pia de agua com detergente e lavar a louca ali, depois soh dar uma enxaguadinha. Em dois cafes que trabalhei reclamavam que eu gastava muita agua para lavar as coisas. Eles nao tem o costume de lavar assadeiras e quando a gente vai usar estah toda cheia de gordura endurecida. Arght!


area de limpeza

Nao existe! As maquinas de lavar e secar roupa (pq nao existe espaco para varal) ficam na cozinha. Nunca vi um tanque de lavar roupa, e nao me conformo em lavar panos na pia da cozinha. E tambem nao existe rodinho e pano de chao. Eles soh usam aquele esfregao que eh a coisa mais nojenta do mundo, nao limpa os cantos, voce usa, volta ele lah naquela agua que fica suja na primeira lavada, e usa de novo, sem condicoes!!!. As vassouras, ninguem merece! Sao pequenininhas, com uma pazinha junto. Tem que quase quebrar a coluna para varrer. A lei daqui eh aspirador de po, mas nao dah pra limpar 100% sem passar um pano neh? torcer e passar de novo... Vai entender...


sala

The lounge! Quando nao tem ninguem morando lah eh legal. Lareira, sofah, aquecedor... Mas geralmente alugam as salas como quarto e o ponto de encontro da galera eh na cozinha mesmo, ou nos corredores, nas escadas...


escadas e corredores

Carpete em tudo, e nao adianta querer chegar de fininho na ponta dos pes de madrugada porque eh uma barulheira de madeira rangendo absurda.


quarto

Nao tem armario, no caso meu e da Karin, que a gente nao trouxe quase nenhum creme nem porcariada fica tudo meio amontoado... casaco com toalha, com meia, com sapato, tudo dentro da mala...


garagem

Tambem nao existe. Nao tem espaco entre uma casa e outra, eh tudo colado, grudado, todos os carros ficam na rua. E descobri tambem que pagam uma fortuna para alugar garagens... Olha soh, um bom negocio a se pensar.


jardim

Ingleses adoram jardins cheios de anao e branca de neve. O mais legal que eu vi tinha varios sapos espalhados e uns gira-sois de plastico gigantes, inusitados na neve.


Blog: Photo Stories

6 de abr de 2011

O país dos porquinhos


Cada vez mais desconfiado de que esse pessoal aqui também não é muito chegado a água. Depois do futum no metrô, fiz mais uma descoberta: o banheiro não tem ralo. Logo, ninguém lava. É só um paninho de vez em quando. No dia em que cheguei, minha "mãe canadense" me mostrou o banheiro, ensinou a ligar o chuveiro (que fica em cima da banheira) e, num cantinho, apontou para um paninho verde-limo e uma garrafinha. E disse:"Sempre que vc acabar o banho, borrife um pouquinho para o chuveiro ficar cheiroso para o próximo". Resumo da ópera: eles cuidam só do cheiro, limpeza mesmo é só lenda. Já soube pelos meus colegas que tem casa em que as toalhas não foram trocadas em quatro semanas. A minha roupa de cama levou quase 4 semanas para ser substituída. Enfim, a diversidade é porca!


Blog: Diário de um alce

5 de abr de 2011

Casa nova e mundo novo


Nos mudamos na segunda e agora estamos naquela fase de ajeitar as coisas para podermos chamar esse cantinho de nosso. A parte da faxina e montagem dos móveis é uma canseira, mas é um cansaço diferente porque esse clima de casa nova de novo é muito bom. Sei que ainda vai levar um tempo até tudo começar a ter uma rotina, mas aos poucos vamos pegando como as coisas funcionam por aqui. É como já disse, cada dia é uma vitória!

Aconselho aos que estão vindo que já venham com um lugar preparado para os primeiros dias. Uma semana é muito pouco para encontrar um bom apartamento e graças a Deus conseguimos algo legal em tão pouco tempo, mas sei que é exceção. Outro detalhe é que os contratos de aluguel começam a cada dia 1, então se não fechássemos agora, só para 1º de setembro... Como eles começam a anunciar os apartamentos com até três meses de antecedência, é bom vir com calma para dar tempo de escolher.

Para mobiliar a casa é bom não se deslumbrar com o preço baixo das coisas porque senão o dinheiro escorre pelo ralo. Eletrodomésticos são muito baratos, e móveis na Ikea também. Aqui optamos por ir fazendo uma mistura. Para coisas que duram muito, preferimos investir em material de qualidade e para outras, compramos só para quebrar o galho. A sala por exemplo, deve ficar sem sofá por mais um tempo, mas a cadeira de trabalho do marido é muito boa, já que ele trabalha em casa.

Morar em condo é uma experiência engraçada porque podemos entender o que é morar em casa de papelão. O chão parece ser meio fofo, o banheiro não tem ralo e as paredes são finas. O isolamento é muito bom e raramente ouço os vizinhos do lado e de cima, mais já sei que as patinhas da Pucca fazem barulho lá embaixo quando ela sai correndo pela casa para brincar. Mas não posso reclamar, o apartamento é ótimo, cheio de armários, com lavanderia separada do banheiro e que tem até um tanque! Estamos morando em Manoir des Trembles, e o bairro é residencial e bem tranquilo.

Sei que acabamos de chegar, mas algumas coisas aqui são muito curiosas... A mania de pimentão em toda e qualquer comida (até no sushi!), o tamanho dos shorts das mocinhas e das não tão mocinhas no verão, a sinalização maluca do trânsito, a facilidade em trocar produtos e pedir o refund, a potência dos produtos de limpeza... No fim o balañço tem sido muito positivo e tenho gostado muito da cidade. Agora já estou querendo é que a casa fique logo organizada para começarmos a passear por aí!

Blog: Patitando
Praticidade inglesa


Os brasileiros estão acostumados a ter a ajuda de diaristas e empregadas domésticas nos serviços de casa. Aqui na Inglaterra a maioria não tem isso não, por ser muito caro. Outro dia vi um anúncio de serviço de limpeza por 5 libras a hora. Considerando um dia inteiro de 8 horas de serviço, o total ficaria em torno de 40 libras, ou seja, mais de 100 reais por dia!

Outro dia, decidi lavar o banheiro. Só depois que ele estava todo molhado, eu percebi que não havia ralo!! "Lovely" (como se diz por aqui)! E agora? O que eu faço com essa água toda? Que raios de banheiro é esse que não tem ralo?? Aí fiquei enxugando horas com o pano e torcendo...Se o banheiro não tem ralo, isso quer dizer que ele não foi construído para ser lavado, certo?

Nada como o dia após o outro para gente aprender. Primeiro vc não acha pano de chão, eu digo, pano de chão decente. Porque outro dia entrei no 1 pound para comprar produtos de limpeza e tinha um bolo de 5 panos e estava escrito "pano de chão". Certo, qdo abri o pacote em casa, simplesmente eles eram do tamanho de um guardanapo. Já achei estranho pq eu não achava isso em lugar nenhum. Bom, fuçando mais um pouco, eu vi que eles vendiam um monte desses paninhos úmidos: para limpar privada, chão, móveis...resumindo: eu acho que eles não ficam passando pano e esfregando que nem a gente faz no Brasil...eles simplesmente passam esses paninhos e pronto! Que nojo! Eu vou continuar jogando água em tudo! Se estragar o piso...estragou!

Blog: Sofia na Inglaterra
Limpeza


Esses dias, no final da aula de vocabulário, uma das professoras (são 2 na sala) me falou que o filho e a nora estão morando no Brasil. Ela contou um fato "interessante": disse que a nora, sem habilidade para trabalhar com a panela de pressão (esse aposto é meu), deixou a mesma "explodir" fazendo uma meleira na cozinha. Eu achei que ela iria falar do perigo (porque panela de pressão pode ser perigosa), mas ela queria dizer que achou fantástico que depois da situação toda (diz que tinha comida até no teto), a nora limpou tudo rapidamente. Normal pra gente que é brasileiro né? As paredes são de azulejo, temos ralo na cozinha, então é só tacar água, sabão e pronto. Aqui nos Eua esse serviço iria demorar e segundo a nora da minha professora, ela teria que repintar a parede (pense no tamanho do estrago!). Aqui, algumas cozinhas usam azulejo ou pedra no chão, outras usam um material imitando uma madeira. Ralo na cozinha não existe. Azulejo é comum na parede da pia e só. Perto do fogão, normalmente não tem azulejo (o que eu acho um erro, pois a parede acaba ficando marcada com os respingos das comidas). Então, já imaginou a dificuldade para limpar a sujeirada?

Por outro lado, nesse país tem produto de limpeza e ferramentas práticas para limpar tudo. Essa parte é ótima, já que ninguém tem tempo a perder. Empregada é um luxo e aqui você paga por hora. Recebi uma promoção para pagar $40 numa hora de faxina (o valor é $80). Em 1h a pessoa vai faxinar o quê? A faxina aqui é beeeem diferente que no Brasil, antes de começar o serviço, você já diz o que quer e a pessoa que vai limpar, fala o que não faz (tem gente que não lava banheiro, por exemplo).

Voltando a aula, eu comentei com a professora que uma coisa estranha que acho aqui é que não tem ralo no banheiro e expliquei para ela como a gente lava os banheiros no Brasil e ela achou o máximo (claro que não falei da nojeira que é deixar o papel higiênico usado na lixeira). Ela me falou da faxinada profunda que os americanos fazem tipicamente na primavera. Como eles deixam a casa fechada por meses, por conta do frio, quando a primavera chega, tipicamente uma faxina para limpar todos os cantinhos da casa (como ela disse) é feita. Dizem que os yard/garage sale dessa época do ano são ótimos. Bom, no Brasil, essa faxinada profunda é feita mais vezes ao ano, assim como a limpeza da casa em geral. Mas pra mim que sou dona de casa e em breve (só aguardando a documentação, Ô governo americano, manda logo minha permissão "namoral?") farei jornada dupla, quanto mais produto com cheirinho, menos necessidade de limpar e mais praticidade, melhor.


Blog: Aventuras na Magic City
Lerê, lerê, lerê-lerê-lerê

E esses dias eu estou mega ocupada com meus afazeres domesticos e as vezes me pego pensando se esse pessoal que esta vindo sabe no que esta se metendo! Eu sabia que nem tudo seriam flores, ja que para ter alguem que te ajude com a casa aqui no Canada, custa muito dinheiro, mas pense num trabalho que nao para, tem sempre algo para se fazer!

Claro que antes de vir, eu tambem escutava que os produtos de limpeza aqui sao mais faceis de manusear e tal, e eh verdade mesmo. Por exemplo, aqui nao tem essa de jogar agua no chao e esfregar, ate porque 1) nao tem ralo e 2) depois onde que vai jogar a agua suja? O metodo mais pratico que encontrei foi o que eles chamam de swiffer, um “rodo moderno”, que voce aperta um botao, sai o detergente e o swiffer tem um lenco embaixo que sai absorvendo a sujeira. Alem dele, tambem adoro o Windex que sempre me faz lembrar daquele filme ‘Casamento Grego’, em que a familia grega, usava ele pra absolutamente tudo. E eh assim mesmo, uso ele do piso ao teto e nao tem melhor... rs.

Eu sei que essa conversa ta muito mulherzinha, mas os homens nem pensem que aqui eles nao trabalham viu? O bom dessa facilidade toda, eh que ATE ELES sabem usar e limpar tudo. Nao tem moleza nao, porque senao a gente so faz trabalhar e ser domestica, e a qualidade de vida fica somente la na hora da entrevista do Quebec (alias, quem nao responde isso ne? rs). Eu, que nunca fui uma cozinheira muito prendada, agora fico pesquisando na internet receitas legais para se fazer. 90% das vezes elas nao dao certo de primeira e 100% das vezes Joao tem que dizer que gostou. Essa eh a regra para que eu continue tentando! Brincadeirinha, claro que muitas vezes eu erro, mas eh que muitos ingredientes nao tem o mesmo efeito aqui. Um dia, eu ganho pratica e vai sair tudo bem gostoso e no ponto.

Mas apesar desse lado chato da vida de imigrante, eh legal voce cuidar das suas coisas. Acaba que como voce quem cuida, da mais valor. Nao que eu fosse descuidada no Brasil, mas voce acaba aprendendo bastante por aqui. E se conseguir levar com bom humor, voce acaba aprendendo e se divertindo ao mesmo tempo!


Blog: Calgary News
Coisas de casa…

Aqui nao tem ralo no banheiro, nem na cozinha. Isso se tiver cozinha pois na maioria dos apartamentos a cozinha é na sala mesmo. Sim, sim, a cozinha aqui no meu apartamento é um movel na sala. Bonitinho, mas é bem na sala. Mas isso nem me incomoda tanto, a falta de ralo sim. Nao se pode jogar agua sabe? No banheiro entao eu adoraria jogar aquele balde d’agua, mas nao rola, se limpa tudo com balde e aquelas vassouras de pano que torce… humft, odeio aquilo. Pensando bem, nunca vi um rodo aqui, nem no supermercado.

Também nao existe area de serviço nos apartamentos, as roupas sao estendidas em varal de pé, no meio do apartamento. Estende a roupa onde voce quiser, pode montar na sala, no banheiro, no quarto. No quarto é melhor, na sala pode engordurar, lembre-se que a cozinha é na sala. Outro dia vi um comercial na tv sobre varais de pé que durou uns 5 minutos, caraca…
Bem, sem area de serviço, a maquina de lavar roupa fica no banheiro mesmo, é bom pra colocar em cima o secador de cabelos, escovas etc… hehehe . As coisas sao meio estranhas assim, mas a gente se acostuma com o tempo.
Dependencias de empregada?? hahahaha piada, ninguem tem empregada, custa 15 euros por hora. Virei ‘maria’ legal…lavo, passo, cozinho rsrs

Uma coisa tem em quase todos os apartamentos e que é bem legal, é uma dispensa, um micro quartinho, no fundo do corredor, pra colocar a tralha toda, tipo ferro de passar, produtos de limpeza etc… Graças a Deus né…

Falando em produtos de limpeza, sao espetaculares, todos… o amaciante amacia mesmo.. o sabao de maquina, tudo perfuma muito. Aquele desinfetante ou desengordurante que diz que limpa numa passada de pano, limpa mesmo!! Incrivel.


Blog: Rio - Bologna



Banheiro na Alemanha tem “ralo”?

Todos esses anos na Alemanha (vim em 1991 hein) e eu nunca vi ralo em banheiro (a nao ser o do chuveiro ou da banheira, obvio). Já ouvi historias de gente que espumou o banheiro todo, jogou aquele balde de agua e só depois foi se tocar que nao tinha ralo!!! Imagina o panico. E nao é só na Alemanha nao, eu achei um blog mega engracado chamado “Sem Ralo” que coleta posts de brasileiros morando no exterior. Vale a pena conferir.

O post de hoje é dedicado a Isabela que *milagre gente, milagre* tem ralo no banheiro dela em Berlin. É esse ai da foto! Agora nós Amélias e Amélios podemos morrer de inveja e continuar passando paninho pra limpar nossa casa. :)

Outros posts sobre o assunto:

* Sandra: Diferencas

* Aweidler: Como lavar um banheiro na Alemanha?

Quem mais já escreveu sobre a falta de ralo na Alemanha? Se você tiver um link me manda!


Blog: Na Alemanha tem?

3 de dez de 2010

2 de dez de 2010

Eu só preciso de uma

Quando cheguei aqui, não entendia muito bem porque os apartamentos possuem, quase todos, duas cubas nas pias das cozinhas. O Léo, que ja esta em Lyon ha sete anos, ficou surpreso com a explicação que encontrei no livro Os Franceses, de Ricardo Corrêa Coelho: "Em um lar francês onde não exista uma maquina de lavar louças, os copos, pratos e panelas são lavados conforme o tradicional sistema de bacias, lavar em agua corrente seria um desperdicio inadmissivel". Da mesma maneira que fazem as mulheres do nosso nordeste em época de seca, não por consciência ecologica, mas por necessidade mesmo.

"As duas cubas servem como bacias, em uma mergulha-se a louça suja numa mistura de agua com detergente e na outra, enxagua-se a louça suja em agua pura até que essa agua do enxague comece a ficar suja, momento onde se acrescenta detergente a essa agua e passa-se a mergulhar a louça suja, esvaziando-se a outra cuba e enchendo-a de agua limpa, a qual a partir de então fara as vezes da bacia de enxague. A operação é repetida até que toda a louça tenha sido lavada".

O plongeur* aqui de casa é o Léo, ja que não temos maquina de lavar louças. Durante um raro momento de insanidade do meu marido, ele me propôs o irrecusavel: se eu fizesse as unhas todas as semanas, ele se ocuparia da louça suja. Ir ao salão aqui é tipo missão impossivel, além de caro, as manicures não tiram as cuticulas, então fica uma merda. Eu levo quase duas horas para deixar minhas unhas impecaveis, dai vem o calcario da agua e descasca tudo em uma unica lavada. Drama fatal que so mulher fresca entende.

O Léo então, com pena de ver a minha dificil relação com alicates e afins não dar muitos resultados, optou pelo bem estar da sua esposa. Pois é gente, meu marido é tipo assim... um sonho! Enquanto uns influenciam suas mulheres a andarem desleixadas por ai, ele faz questão de me ver sempre impecavel, embora eu nunca o esteja de fato. E ja que ele é o responsavel pela limpeza dos pratos aqui em casa, sugeri que experimentasse o sistema francês descrito acima, mas de cara feia, ele recusou.

Se não conseguimos abrir mão das duas duchas diarias nem de lavar a louça em agua corrente (so para o enxague, enquanto ele ensaboa a torneira fica fechada, isso reduz em 70% o consumo de agua), com a limpeza da casa foi o contrario, tivemos que entrar no esquema francês. Acontece que aqui não existem ralos no chão, por isso não se usa agua para lavar banheiros nem cozinhas. Um pano umido com desinfetante é o modo mais comum de limpar essas partes das residências francesas. Nos quartos e sala, o aspirador é quem faz o serviço, depois passamos um produto de limpeza para dar brilho e voilà! Viu mãe? Me infernizou a infância toda para lavar os banheiros la de casa com agua e sabão pra nada, agora que tenho minha propria casa, me viro à francesa.




*Plongeur - O cara que lava os pratos nos restaurantes.



Blog: 13 anos depois...

24 de fev de 2010

RIO 40 º ??? QUE NADA! A ONDA AGORA É LISBOA ZERO GRAU!!


Alguém me disse hoje que vem ai uma tal de Corrente de Ar Siberiana que vai fazer a temperatura cair a zero grau podendo ficar em qualquer coisa negativa.

A minha primeira reação foi sair o mais rápido possível e comprar mais cobertores já que com madrugadas a oito positivos tá dificil de aguentar, se cair mais então não faço idéia do que vai ser de nós.

Aliás a César o que é de César né? Então essas frentes frias que vem da Sibéria, Bielo-Rússia ou sei lá mais onde podiam estacionar em seus devidos lugares e ficarem quietinhas por lá mesmo.

Mas enfim, só me resta pedir a Deus um inverno mais brando e fazer estoques de lenha pra lareira. Lareira esta inclusive que ainda não foi inaugurada!
É verdade, ainda não estreamos a lareira....Tsc Tsc Tsc...

Essa semana fiz minha estréia no banho de banheira...Engraçado né como certas coisas que temos em casa não damos muita pelota porque as vemos todos os dias, dai eu ter demorado tanto pra usar a dita. Mas nem foi lá assim um banho desses dignos de Marilyn Monroe já que não tinha aqueles vidrinhos com banho de espuma que se compra pra fazer umas bolhas na água.

Aliás um lance muito legal na casa de banho, o popular banheiro, é o interruptor de luz !
Sabe onde fica ? Do lado de fora ! É sério, a luz da casa de banho se acende pelo lado de fora, o duro foi usar o banheiro no escuro por não conseguir advinhar isto antes !

Sinalização com os nomes das ruas também é outro quesito muito interessante.
Admito que demorei uma semana para descobrir que as placas com os nomes das ruas não são afixadas em postes nas esquinas e com uma luz especial para serem lidas a noite.

Aqui eles constroem pequenos jardins, com um pequeno muro na esquina onde é afixada uma charmosa plaquinha de azulejos com o nome da rua. Essa placa também pode ser esculpida no mármore. Chique né gente ? Demais, mas nada prático pra quem precisa dirigir a noite e ainda não se situa muito bem na cidade.

Esperar o que de quem coloca o interruptor de luz do banheiro do lado de fora, constroi cozinhas sem ralo, apartamento sem área de serviço e não usa rodo!
Eu não consigo gostar da tal da esfregona...não adianta...Ela pode até um dia sorrir e me dizer bom dia que vou com certeza morrer odiando-a!


Blog: Uma zuca em terras tugas