30 de ago de 2011

Secadora: o terror do guarda-roupa



Quase dois anos de Alemanha e ainda perco roupas para a secadora. Eu, que me criei em casa, rodeada de varais, achava um absurdo, até pouco tempo atrás, secar roupa sem sol.

Aí, quando a pessoa se muda para um apartamento minúsculo, sem varal, sem tanque e sem ralo, tem que se adaptar a uma nova rotina doméstica e aprender a lidar com a secadora de roupas.

À primeira vista parece uma maravilha: 30 minutos pra fazer o que vento+sol demoram duas horas. Você tira a roupa cheirosa, quentinha que não precisa nem passar - basta dobrar enquanto está quente - e só vai se dar conta de que a sua calça perdeu cinco centímetros no comprimento quando for vesti-la no outro dia.

Nunca me esqueço do ataque de fúria do Luciano Nagel em 2009, quando tirou sua primeira leva de camisetas da secadora de roupas do dormitório do Instituto Goethe, em Bonn. Todas acima do umbigo.

Eu, depois de também inutilizar algumas peças, comecei a ficar esperta e a não colocar mais certos tipos de tecido na secadora. Camisetas de algodão, blusas de lã e qualquer tecido elástico, por exemplo, nem pensar.

Calça jeans não tem problema (a menos que seja com nylon). Meias, toalhas, lençóis e peças de tecidos que não esticam também estão fora de perigo.

Mas cuidado: calças de linho, se forem misturadas com algodão e poliéster - como a minha calça preferida, que estraguei na semana passada - NÃO PONHA NA SECADORA.


Blog: Denke ich...

Um comentário:

c* disse...

ei "denke ich...", td bom ?
olha, em geral as secadoras tem um botao de intensidade de calor - forte/medio/morno - vc escolhe segundo o tipo de roupa que quer secar;
e é claro que coisas mais finas como lingerie ou blusinhas,lans, etc, pedem secagem natural penduradas em cabide.
fui sacando pouco à pouco esses lances de "rainha do lar"...vc chega là ! :-)))
abraços