19 de fev de 2010

A quarta semana!!!

Caramba! Achei que não fosse dar conta de escrever esse post. Que semana doida! Que correria!!! Tô cansada e dolorida… O Zé mais ainda…

Em resumo, mudamos e começamos a pintar o apê, fizemos a avaliação para a francisação, compramos móveis. Ah, e fizemos descobertas terríveis em relação ao modus operandi da faxina aqui nas terras geladas… Mas contemos as nossas histórias…

Faxina

Com o apê alugado, começamos a organizar a mudança. Obviamente, como é de praxe, precisamos fazer uma faxina. Invocamos o espírito de Escrava Isaura (isso mesmo, lá no Brasil não tínhamos o hábito de pegar no pesado para termos nosso lar limpo), entramos no clima, wohoo, vamos lá!!!!

Compramos o material de limpeza (sorry folks, não guardei a notinha, não lembro os preços exatos) no Dollarama (tudo a um dólar ou no máximo dois: uma vassoura tão charmosa que até dá vontade de sair voando, pá, um troço tipo bombril, baldes, enfim, todos os utensílios disponíveis para faxinar) e no Maxi (os produtos de limpeza: um ou outro recomendados por amigos e o resto foi no ‘achismo’ mesmo -uma combinação de preço, funções e a cara da embalagem).

Chegando em casa, desempacotamos tudo, lemos as instruções e começamos….

De repente, a constatação (pq já tinha lido sobre o assunto na lista de discussão do yahoo): no banheiro não tem ralo. Isso mesmo, zero buraco, zero ralo, zero escoamento (na banheira tem, é claro, mas não serve mto na hora de limpar o resto das coisas). Mas que c****, pq eles não colocam uma m**** de um escoamento no banheiro???????

Bem, segundo a maioria das instruções dos produtos, o esquema geral é o seguinte:

1) Borrifa o produto;
2) Dá um tempinho pro troço agir;
3) Remove com um paninho úmido o produto e a sujeira anexa;
4) Passa um paninho seco e era isso.

OK. Fica até cheirosinho. Verdade seja dita: os produtos são muito bons mesmo. A gordura derrete, sem brincadeira. Mas, como explicar… Sabe aquele frescor que só a água é capaz de dar? Então, fica faltando…

Decidi então meter um balde básico d’água por tudo. (Acalmem-se, eco-certos. Foi um baldezinho de nada, não cheguei nem perto de esvaziar os Grandes Lagos na minha busca por um banheirinho pequeninho limpo…) Chuáaaaaaaa. Ê beleza!!! Mais uma esponjinha nos cantinhos e ficou super legal. Exceto pelo chão. Ah, aquela água sem ralo para escoar… Como fiz????

1) Pega paninho seco;
2) Molha paninho na pocinha;
3) Espreme paninho no balde;
4) Passos 1, 2 e 3 se repetem ad infinitum.

Na próxima, vou tentar aquelas coisas que parecem uma vassoura mas que são com uma esponja na ponta.


Blog: QuebeCoisa

Nenhum comentário: