2 de dez de 2010

Eu só preciso de uma

Quando cheguei aqui, não entendia muito bem porque os apartamentos possuem, quase todos, duas cubas nas pias das cozinhas. O Léo, que ja esta em Lyon ha sete anos, ficou surpreso com a explicação que encontrei no livro Os Franceses, de Ricardo Corrêa Coelho: "Em um lar francês onde não exista uma maquina de lavar louças, os copos, pratos e panelas são lavados conforme o tradicional sistema de bacias, lavar em agua corrente seria um desperdicio inadmissivel". Da mesma maneira que fazem as mulheres do nosso nordeste em época de seca, não por consciência ecologica, mas por necessidade mesmo.

"As duas cubas servem como bacias, em uma mergulha-se a louça suja numa mistura de agua com detergente e na outra, enxagua-se a louça suja em agua pura até que essa agua do enxague comece a ficar suja, momento onde se acrescenta detergente a essa agua e passa-se a mergulhar a louça suja, esvaziando-se a outra cuba e enchendo-a de agua limpa, a qual a partir de então fara as vezes da bacia de enxague. A operação é repetida até que toda a louça tenha sido lavada".

O plongeur* aqui de casa é o Léo, ja que não temos maquina de lavar louças. Durante um raro momento de insanidade do meu marido, ele me propôs o irrecusavel: se eu fizesse as unhas todas as semanas, ele se ocuparia da louça suja. Ir ao salão aqui é tipo missão impossivel, além de caro, as manicures não tiram as cuticulas, então fica uma merda. Eu levo quase duas horas para deixar minhas unhas impecaveis, dai vem o calcario da agua e descasca tudo em uma unica lavada. Drama fatal que so mulher fresca entende.

O Léo então, com pena de ver a minha dificil relação com alicates e afins não dar muitos resultados, optou pelo bem estar da sua esposa. Pois é gente, meu marido é tipo assim... um sonho! Enquanto uns influenciam suas mulheres a andarem desleixadas por ai, ele faz questão de me ver sempre impecavel, embora eu nunca o esteja de fato. E ja que ele é o responsavel pela limpeza dos pratos aqui em casa, sugeri que experimentasse o sistema francês descrito acima, mas de cara feia, ele recusou.

Se não conseguimos abrir mão das duas duchas diarias nem de lavar a louça em agua corrente (so para o enxague, enquanto ele ensaboa a torneira fica fechada, isso reduz em 70% o consumo de agua), com a limpeza da casa foi o contrario, tivemos que entrar no esquema francês. Acontece que aqui não existem ralos no chão, por isso não se usa agua para lavar banheiros nem cozinhas. Um pano umido com desinfetante é o modo mais comum de limpar essas partes das residências francesas. Nos quartos e sala, o aspirador é quem faz o serviço, depois passamos um produto de limpeza para dar brilho e voilà! Viu mãe? Me infernizou a infância toda para lavar os banheiros la de casa com agua e sabão pra nada, agora que tenho minha propria casa, me viro à francesa.




*Plongeur - O cara que lava os pratos nos restaurantes.



Blog: 13 anos depois...

Um comentário:

Isabela Santos disse...

Olá! Parece que eu sou a única agraciada com ralo que conheço! Tenho um ralo aqui no meu banheiro em Berlim.