19 de fev de 2010

Blogagem Coletiva Expatriados


Fiquei na dúvida se participar da tal blogagem coletiva da Ciça, pois achei o Manual dela tao perfeito que nem sabia se valia a pena acrescentar alguma coisa e desde logo, nao tenho o talento dela pra descrever as coisas com aquele humor tao... no ponto, sabe? Mas pensando bem, achei que valia a pena tentar dar algumas dicas baseando-me na minha experiência aqui na Espanha.

Em primeiro lugar, quando chegar aqui, é preciso deixar de pensar en R$, porque senao você nao abre a carteira nem pra comprar uma bala, porque tudo parece carísimo ao multiplicar por três. Esqueça os preços do Brasil.
NO começo, qualquer brasileiro que você ouve falando pelas ruas, te emociona e você fica com vontade de falar com ele, como se fosse da tua própria família: nao senhor, só porque é brasileiro nao significa que sao almas gêmeas e provavelmente é uma pessoa que nao tem absolutamente nada a ver contigo, exceto o fato de vocês procederem do mesmo país. Logo se dará conta que brasileiro aqui é mato, tem por todas as partes e em todos os lugares, assim que melhor selecionar bem as tuas amizades, como em qualquer lugar do mundo. Ter bons amigos aqui, como no Brasil, é um pouquinho mais difícil, porque simplesmente a cultura é diferente, a forma de ser do povo nao é tao aberta e carinhosa como a nossa. Tudo bem, mas é bom ter amigos e relacionar-se com os "nativos": nada de guetos.
É preciso se esforçar um pouco mais para que as pessoas te respeitem e acreditem na tua capacidade, pois existe um estereotipo que uma piadinha muito sem graça diz tudo, e é de que só existem dois tipos de brasileiros: jogador de futebol e putas e o outro pergunta em que time joga a mae dele... algo assim...rs... Entao, mostre pra eles que você é tudo o que eles sao e um pouquinho mais, mais educada, mais amável, mais esforçada, mais capaz, e etc, etc, etc, e menos quenga, óbvio. Estude, aprenda bem o espanhol. No caso de Barcelona, se você souber falar catalao eles literalmente de adoram! (nao é o meu caso, eu entendo mas nao falo... some day...)
Quando as pessoas sabem que você é brasileira, já vao pedindo pra você sambar. A minha tática é pedir pra eles dançarem um flamenco primeiro: nem todo brasileiro sabe sambar, nem todo espanhol sabe dançar flamenco.
Na tua vida doméstica: esqueça o velho e bom tanque de lavar roupa, mesmo que você nunca o tenha usado: isso aqui é peça de museu, raríssimo de se encontrar. Esqueça também o ralo na cozinha e no banheiro: esse negócio de lavar tudo com a mangueira é coisa bem do Brasil, aqui nao tem nem rodo pra gente puxar a água. Assim que, mais vale usar a invençao nacional: a dona fregona e o senhor balde escorredor.
Se quiser contratar alguma faxineira tipo todo o dia, como no Brasil, pode ir desembolsando entre 80 e 90 euros, pois aqui tudo se cobra por hora, entre 10 e 11 euros. Quem sai ganhando sao as ditas cujas que ganham mais que trabalhando 8 horas ao dia num escritório, mas, o que seria das nossas vidas sem elas? Dinheiro bem empregado.
É isso, meu tempo está se esgotando e nao posso continuar. Mas uma das coisas esenciais, que a Ciça falou e eu confirmo, é que é preciso amar o lugar onde você vive, conhecer as riquezas, a história, a cultura. Nada de ficar metendo o pau aqui e alabando as maravilhas do Brasil. Seja realista, todos os lugares do mundo tem suas vantagens e desvantagens, mas se escolheu viver aqui, nao fique lamentando e chorando as saudades do Brasil, deixe pra matar as saudades quando for pra lá e enquanto estiver aqui: aproveite!!!


Blog: Além do Atlântico

Nenhum comentário: