7 de dez de 2008

Oi pessoal! Depois de um longo período de sono, o blog se animou de novo. Não é prá menos: acabei de encontrar mais posts falando de RALOS!!! Já estava até desanimando, achando que o assunto estava mesmo 'esgotado' hehehehe.
Vamos deixar de lero-lero e aproveitar os novos textos.




15 de setembro de 200_

Léia,

Obrigadíssima por ligar, minha linda. Você não sabe a diferença que faz ouvir uma voz amiga do outro lado da linha. O Paulo está estudando que nem um desesperado, ainda mais agora, primeiro mês, tudo novo, língua diferente, métodos diferentes. Acredita que ele já levou esporro de orientador por ter chegado duas aulas seguidas atrasado? Repara que o atraso foi de cinco minutos, mas o Paulo teve que ouvir que era aluno profissional agora e precisava ser mais responsável! Logo ele que sempre foi tão caxias! Você tinha que ver a cara dele quando entrou em casa! Parecia o menino que apanhou da mãe! Coitadinho! Mas, enfim, como eu dizia, o homem não pára um segundo, está estressadíssimo, então, sim, eu fico muito sozinha, e tudo isso foi pra dizer que sua ligação me ganhou a semana, amiga.

Estou te escrevendo porque hoje cheguei a uma conclusão inescapável: americano não sabe limpar as coisas com água. Sério. A primeira coisa que senti falta foi de bidê, isso eu já te contei. Esse povo deve ter a maior taxa de hemorróidas do mundo se passam a vida inteira esfregando papel na bunda, só pode ser. De todos os objetos da minha casa, com certeza, sinto mais falta do meu bidêzinho, coitado, nunca dei muito valor e agora choro por ele. Na primeira semana, fiquei toda assada. Agora, estou passando por todas as marcas mais caras de papel higiênico pra ver se alguma presta.

Depois, tem o drama da falta de tanque. Anteontem, o Paulo se distraiu e pisou num cocô de cachorro. É, amiga, até no primeiro mundo tem titica de cachorro na rua. Pois bem, ele me deu o sapato pra limpar e lá fui eu toda mulherzinha pro tanque. E cadê o tanque? Não tem tanque. E não é só no meu apartamento minúsculo, não: ninguém tem tanque nessa terra. Como esse país funciona, meu Deus? Como pretendem dominar o mundo sem tanque? Onde esse povo faz limpeza pesada? Onde limpam coisas nojentas? Era pra eu limpar o cocô da sola do sapato na pia onde escovo os dentes, na pia onde lavo louça ou na banheira onde tomo banho? Sério! (Acabei limpando com um paninho umedecido e depois joguei o pano fora. E avisei ao moço que o próximo cocô ele que limpe! Melhor passar a andar olhando pro chão!)

E não tem ralo. Não tem ralo na cozinha. Não tem ralo no banheiro. Não sei nem se existe esse conceito na língua inglesa. O pior é que eu nem dei pela falta até ser tarde demais. Decidi que estava na hora de lavar o banheiro, enchi um balde, despejei a água no chão, peguei o rodo que tinha acabado de comprar, comecei a arrastar a água pro ralo… e cadê o ralo? Não tem ralo! Amiga, que ódio. Sério, me senti a completa retardada. Não tinha mais pano (aliás, essa é outra coisa que não encontro aqui, pano de chão, socorro!) e sequei tudo com toalha de papel. Lá se foi quase um rolo todo.

Menina, que país é esse? Só depois me dei conta que tinha tudo a ver com água. Não posso limpar a bunda com água, não posso limpar o chão com água, não posso limpar nada com água. Limpeza, pra esse povo, só a seco. Como, não sei. Acho que vou perguntar pra alguma colega do Paulo. Lavar chão de cozinha e chão de banheiro sem balde d’água, isso não me ensinaram. Será algum método hiper secreto ultra tecnológico que ainda não chegou no terceiro mundo? Ou será que são eles que ainda não ouviram falar desa nova e versátil invenção, a água? Existem prateleiras sem fim de produtos de limpeza (antigerme, antifungo, antimancha, antiodor, antibactericida, antimãosdepenélope, antitudo), mas água, que é bom, nada. Aquela sensação gostosa de jogar um baldão de água no piso e sentir as bolhinhas de sabão nas solas dos pés, nunca mais. Mesmo com todos os produtos de limpeza do mundo, a casa fica sempre com aquele cheiro de meia usada, aquela sensação de banho de gato. Um horror. Não tem incenso que resolva.

Pois bem, minha linda, vai agora no seu banheiro e dá um belo abraço no seu ralo (beijo, não, ele pode ficar convencido!) e agradeça por ele estar lá. Quando é que eu iria imaginar que eu, chiquerrérrima, morando em Manhattan, o umbigo do mundo etc etc, a coisa que mais sentiria falta do Brasil seria justamente… meu ralo!

Da sua amiga faxineira mal-resolvida,

Penélope em Nova Iorque

PS: Na verdade, não sei se é falta de ralo ou falta da Dona Lourdes. Se ela estivesse aqui, com certeza daria um jeito de deixar a casa um brinco sem precisar de água. Ai, ai, saudades da Dona Lourdes…


Blog: E-mails de Nova York






Diferenças
Morando em outro País, a melhor coisa é tentar aprender tudo nesse novo lar: a língua, os hábitos, a cultura, as etiquetas sociais, a mentalidade, etc .. Alguns países sao mais fáceis que outros mas nunca é a casa da gente. Mas a gente tenta.

Eu acho que lutei muito e depois de vários anos consegui me adaptar e me sentir feliz. Porque acho que esse é o objetivo principal. Se sentir feliz onde quer que voce esteja.

Mas algumas coisas sao difíceis de engolir. E nao precisa ser grande coisa nao.

Por exemplo, na Alemanha

- nao existe ralo. Ralo nos banheiros, ralo na cozinha, ralo no quintal. Nao tem. Voce nao consegue jogar água, passar uma boa vassoura com sabao em pó ou detergente, depois o rodo. Porque nao tem para onde cair a água. Se voce jogar água de balde no banheiro é bem capaz de tudo correr escada abaixo lá prá sala. Entao voce tem que, no máximo, ter umas vassouras especiais aqui com paninhos aveludados que voce umedece, passa e torce e emudece, passa e torce.
- nao existe lavanderia. Mas tem Keller - porao. Entao a grande maioria das casas tem suas máquinas de lavar-roupa e de secar, baldes, aspiradores de pó e produtos de limpeza no Keller. Só que os sobrados aqui tem tres andares!! Voce tem que ir para o Keller pegar tuda a tralha e subir tres andares para comecar a faxina do quarto lá em cima, aí descer com cesto de roupa suja para o Keller e subir para terminar a limpeza e descer para por a roupa para secar e aí sentar na escada no meio do caminho e chorar. E depois da casa limpa e roupa lavada, voce carrega a tábua de passar-roupa para a sala e faz esse servico assistindo TV e depois tem que descer a tábua e subir com as roupas. Fala a verdade: é um martírio.
- nao existe tanque. Claro, se nao tem lavanderia, nao tem ralo, para que o tanque? Eu nao sei onde esse povo que nao tem Keller onde eles colocam todas as tralhas de limpeza!!!

Como íamos mudar, tentei mudar tudo e resolver todos os problemas de uma vez só. Nao teremos Keller, teremos somente dois andares e quis um tanque. Saiu caro esse tanque por nao ser muito comum mas fiquei toda feliz e na maior ansiedade para receber o meu tanque onde teria uma torneira alta para poder enfiar um balde sem precisar ter que ir ao chuveiro. Um tanque para lavar os tenis sujos da criancas, um paninho de limpeza ou a grelha durante o verao.

Cheguei na casa toda ansiosa para ver como era um tanque alemao e achei isso: Apresento a voces um tanque alemao.



Blog: O dia-a-dia dos Pohlminhas...






choque cultural & feijão preto

Meus anos no Canadá foram um laboratório que me preparou para adotar um novo país. Lá eu não era imigrante, estava somente de passagem, mas mesmo assim inicialmente passei por todos os processos de adaptação necessários para me integrar a uma vida nova, com clima novo, língua nova, elementos culturais novos. Acontece com todo mundo, aconteceu comigo. O surto maior durantes todos os meus anos canadenses foi não poder lavar o banheiro. Onde está o maldito ralo?? Era a pergunta que eu não conseguia fazer calar, até aceitar o fato inexorável de que naquele país não se lava banheiro e pronto. Não foi fácil, mas todos os choques culturais que enfrentei lá me ajudaram numa adaptação mais tranquila aqui. Eu já cheguei nos EUA ajustada.

Um dos processos pelo qual passei foi o da aceitação dos novos ingredientes gastronômicos locais e o da autenticação da cultura gastronômica que eu trazia comigo. Você quer mostrar de onde veio, não só através da língua, música, costumes e comportamento, mas também através da comida.

A universidade que engoliu meu marido num programa de PhD promovia todo inicio de ano letivo sessões de orientação para os novos estudantes internacionais. Tendo participado do evento na condição de esposa do estudante internacional, percebi o quanto era importante tudo aquilo. Me inscrevi como voluntária para trabalhar nos anos seguintes. Havia posições em diversos pontos estratégicos, você podia ser guia de tours, dar palestras, ajudar na organizacão dos eventos acadêmicos ou culturais e também poderia ajudar na cozinha. Serviam-se lanchinhos para os participantes, que eram preparados e empacotados pelos voluntários da cozinha. Nem preciso dizer que a cozinha era o lugar menos atrativo, pois todos queriam voluntariar em posições mais bacanudas, demonstrando suas habilidades intelectuais e interagindo mais intensamente com o grupo de organizadores e os novos estudantes. Ser voluntário na cozinha não tinha concorrência, muito pelo contrário, nem sempre conseguíamos um número necessário de pessoas. Mas todo ano eu estava la, junto com os sempre presentes usual suspects. Era uma turma legal, com estrangeiros e nativos, que devido ao confinamento e as horas passadas juntos cortando cenouras em tiras ou tomates em rodelas, formou algumas boas amizades.

Mas o bacana desse voluntariado na cozinha era que no último dia da orientação rolava um banquete organizado por nós. Tínhamos que trazer pratos típicos de diferentes países, geralmente doados ou feitos pelos próprios voluntários. Essa era a parte que eu mais gostava, pois chegava a hora daquela gente bronzeada mostrar o seu valor, abafando com um belo e saboroso prato tradicional brasileiro. Desde o primeiro ano, a feijoada tinha sido eleita por mim o prato fino da bossa para representar o Brasil no banquete. Porque era bem típico, tinha uma história legal pra se contar se precisasse entreter a galera curiosa e era fácil de fazer em quantidade. Eu adaptava as linguiças, usava as polonesas e russas que abundavam por lá e adicionava beef jerk no lugar da carne seca. O resto eu fazia igual, feijão preto, bacon, alho, azeite, folhas de louro, panelão que cozinhava por longas horas até o caldo ficar grossão. Quando eu finalmente levava a panela de feijão para a festa era um extase coletivo. A minha feijoada era o prato mais esperado da noite, seguido pelas samosas preparadas por uma senhora indiana e que eram, sem dúvida nenhuma, as melhores que já comi na minha vida. No dia do banquete os voluntários da cozinha saiam do ostracismo do confinamento e viravam estrelas, protagonistas da festa. Vestidos com nossas roupetas mais bacanas e ostentando os nossos sorrisos mais amigáveis, servíamos os rangos internacionais, explicando fatos de cada país, tradição e ingredientes. No meu caso, quando eu me prostava em frente ao panelão segurando a concha que eu mergulhava sem parar na deliciosa feijoada, era só dizer—Brazilian black beans para provocar um excitamento geral na malta, que às vezes se recolocava novamente na fila para, timidamente, pedir para repetir. Nem sempre sobrava para os voluntários, então adotamos o hábito de separar porções individuais da feijoada antecipadamente. Claro que todo ano durante o banquete tinha sempre um ou outro que fazia aquela cara de fuínha quando eu pronunciava as palavras mágicas—Brazilian black beans. Se a cara entortava em sinal de nojo ou medo, eu já dizia sorrindo—acho que você vai se arrepender, e não vai poder voltar atrás, porque os feijões brasileiros NUNCA sobram pra contar a história!

BLOG: Chucrute com Salsicha






O ralo, o rodo e a insignificancia que eles tem no velho mundo

Nao existe a palavra "rodo" no meu dicionario de ingles. E olha que eh um Michaelis novinho, que comprei na Leitura antes de vir. E ai comecei a entender os motivos de terem usurpado este vocabulo tao util do dia-a-dia das donas-de-casa no Brasil.

Voce nao precisa de um rodo aqui primeiro porque se voce jogar agua no chao voce esta literalmente ferrado. Nao existe ralo no chao do banheiro, nem da cozinha, nem de lugar nenhum. Ralo eh uma outra palavra, que vem junto com pia ou box do chuveiro. Segundo, voce nao precisa de um rodo aqui porque de onde voce quer puxar agua se todo lugar que voce vai aqui eh encarpetado? Existe uma estranha predilecao inglesa por pisos cobertos com este tecido feito de acaros. E quanto mais comodos da casa encarpetados, melhor. "Vende-se casa, lindos carpetes em 7 comodos (possibilidade de revestimento da casinha do cachorro). Oportunidade unica". As salas de aulas aqui tem carpete, os bares sao todos forrados, e ontem vi meu primeiro banheiro de piso fofinho. Veja que maravilha, voce pode repousar os pes no chao quentinho, enquanto faz qualquer outra coisa. E se voce chegar aqui e pedir tabua-corrida vao achar que voce esta louco e quer morar com as arvores que andam no Senhos dos aneis.

Ja que falta ralo e rodo, eles substituiram esta demanda no mercado pelo aspirador de po. Eu tenho que confessar que eu ja estava ate tomando gosto pela coisa. Sujou, liga na tomada e ta limpinho. Pro meu banheiro, que nao tem carpete (que pobreza!) eh so pegar um paninho que ja vem molhado com algum produto de limpeza misterioso (vendem sacos disso aqui) e passar aonde voce quiser. Foi ai que hoje um estranho espirito de domestica baixou em mim e comecei a jogar agua pra todo lado. Esfreguei tudo, molhei ate o teto e levei umas duas horas pra secar o chao depois. Mas pelo menos nao fui derrotada pelos lencinhos umidecidos.

Blog: Karla com K






Cleaning
Quando eu fazia engenharia da computação, a única matéria de humanas que a gente tinha, no primeiro semestre, colocada lá por desencargo de consciência, era antropologia. Nela, nós basicamente aprendíamos que todas as culturas são legais e que é muito feio julgar uma cultura diferente baseando-se nos padrões de normalidade de sua própria cultura.

Isso, é claro, é muito lindo de se dizer, mas colocar em prática já são outros quinhentos. Se não fosse assim, não seria nosso assunto preferido na JD reclamar de uma das maiores faltas dos europeus, em nosso ponto de vista: a limpeza.

Nosso lema aqui é: "Por que começar? Pra que que você foi fazer isso?". Explica-se. Um belo dia, meses atrás, quando tinha acabado de me mudar pra casa onde estou morando, reparei que o fogão estava grosso de gordura, e achei que aquilo era uma vergonha. Então, apesar de nunca ter usado o fogão, peguei uma bucha, comprei um limpa-tudo dos mais fortes, e me pus a trabalhar naquele fogão. Deixei ele limpo que era uma beleza; ao fim do processo, achei por bem lavar o chão também; lavando o chão, vi que ninguém nunca tinha lavado debaixo dos armários da cozinha, muito menos entre o fogão e a geladeira; vendo isso, reparei que a porta da cozinha nunca tinha visto uma limpeza…

E assim vai. Todas as sujeiradas que você faz vista grossa no dia-a-dia saltam pra sua fuça se você começa a prestar atenção como se deve, então é uma besteira começar a acertar a limpeza caseira. Inda mais em se tratando de uma casa compartilhada com mais três europeus, que não sentem a minha necessidade de limpeza, e, apesar de acharem tudo muito lindo, não fazem esforço pra manterem as coisas como nós terceiro-mundistas achamos que elas devem ser.

Mas, como tudo tem limite, certas vezes é inevitável. E foi assim que eu me conformei a ser o guardião do banheiro. Não dos dois da casa, apenas do que eu uso.

Quando cheguei, não conseguia-se ver através do boxe do banheiro, apesar dele ser de vidro transparente. Anos e anos de espuma de tantos ocupantes que por ali passaram haviam se acumulado sem restrições, o que o havia tornado branco. MESMO. Achei que isso era um absurdo, então comprei um limpa-banheiros potente e comecei a esfregar o boxe. Horas depois, lá estava ele lá, transparente, provavelmente pela primeira vez desde que foi instalado. Então olhei para os azulejos, e reparei que o laranja do rejunte na verdade era mofo ou algo assim. Comecei a esfregar os azulejos e a sujeira começou a escorrer.

Nas vezes seguintes, olhando com atenção, percebi que ninguém nunca tinha passado um pano nas paredes, que tinham teias de aranha na quina com o teto. Atrás e debaixo do vaso sanitário, então, nem se fala. A água aqui é cheia de minerais, que vão se acumulando conforme a água pinga, e na pia, no boxe e em tudo mais os sedimentos já se empilhavam em três ou quatro eras geológicas. Quando você termina isso, percebe que os cantinhos do boxe e atrás das dobradiças da porta dele está tudo grosso de bolor. E assim vai.

Para ajudar, o único ralo existente no banheiro é o do boxe, que fica quinze centímetros acima do chão. Exatamente. Quase causei um dilúvio na primeira vez que fui lavar o banheiro da maneira que estava acostumado. O hemisfério norte tem um conceito de que o esfregão dá conta de limpar tudo que deixaria qualquer dona-de-casa ou diarista subdesenvolvida de cabelo em pé. Sinceramente, um banheiro que não tem um ralo no chão não foi feito pra ser limpo decentemente.

A parte diária da luta higiênica no banheiro é o combate aos cabelos. Porque minha mãe, minha irmã, e toda menina de boa educação tupiniquim sabe que, depois de se tomar banho, o mínimo que se deve fazer é retirar os cabelos do ralo. Infelizmente, a educação européia tem outra opinião. Assim, as minhas housemates tomam banho e deixam bolos de suas lindas melenas no ralo; o (a) seguinte ia lá, a água não descia, e, decidido a não limpar cabelo que não lhe pertencia, tirava a tampinha do ralo, já totalmente obstruída por detritos capilares. Obviamente, os cabelos dessa pessoa então descem ralo abaixo, entupindo o único ralo do banheiro, e assim todos ficam controlando o dilúvio do banho até alguém dar um jeito de desentupir aquilo.

Depois de um tempo, resolvi me resignar a remover os cabelos do ralo antes de tomar meu banho. E, assim, agora, deixo uma bucha no lado da privada, a qual utilizo todas as manhãs para remover os cabelos dos habitantes que se banharam no dia anterior. E, nessas, caí de novo numa armadilha involuntária. Um dia, por exemplo, depois de lavar o banheiro, fui jogar a água suja do balde no ralo da banheira do outro banheiro, e, quando a água baixou, vi que estava cheio de cabelo nesse ralo. Pensei eu, "poxa, enchi de cabelo o ralo da banheira, melhor tirar". E comecei a puxar. Obviamente, comecei a puxar dez anos de cabelos que tinham parado lá. Precisei de palitos e escovas pra terminar o serviço.

Essa luta acontece diariamente, entre vários brasileiros que habitam aqui. Portanto, leitores, tomem cuidado quando afirmam que estão dando uma educação européia a seus filhos; especifiquem bem o que é isso, para não acabarem com bolas de lodo no seu WC.


Blog: Chão






A lista

Há muito tempo penso em fazer uma lista aleatória de coisas que são diferentes do Rio de Janeiro em Nova York, mas só agora finalmente sentei para de fato escrever. Mais uma vez, são coisas que nem sequer questionamos até vermos que elas poderiam ser diferentes. Então, sem nenhuma particular ordem ou relevância, lá vai :

As paredes são de papel
Tente pregar qualquer coisa que pese mais que uma pena na parede e cairá tudo no chão abrindo um rombo. As paredes são feitas literalmente de papel com gesso ou algo similar, um negócio que eles chamam de drywall. Então para pregar prateleiras, por exemplo, você tem que achar as vigas que sustentam a parede e aparafusar nelas, atravessando o drywall. Mas como é que você vai saber onde estão as vigas, para começar? Bem, felizmente estamos em tempos suficientemente modernos que você possa comprar um detector eletrônico de vigas na loja de hardware mais próxima.

Os prédios são de aço
No Brasil a forma padrão de se construir um prédio com mais do que um ou dois andares é utilizar concreto armado e lajes. Não aqui. A estrutura interna do prédio é toda de vigas de aço, e os andares são feitos com chapas de metal sanfonado. É estranho ver um prédio em construção aqui - é completamente diferente.

Os banheiros não têm ralos no chão
Isso mesmo. O chão do banheiro não tem um ralo em lugar algum. Não existe isso de lavar o chão jogando um monte de água; você usa um paninho. Quero dizer, na maioria dos casos, você não usa coisa alguma, porque aqui empregada doméstica é coisa de rico e quem é que tem tempo de ficar lavando o chão do banheiro? Aliás, a maioria das pessoas nunca em tempo algum lava as janelas.

Bidês são desconhecidos
Ninguém aqui jamais ouviu falar em bidês. Nem sequer existem para vender.

Não existe porta no chuveiro
Exceto em lugares extremamente luxuosos e altamente atípicos, todo chuveiro americano é isolado do banheiro por uma cortina de plástico.

Os preços anunciados não são os que você paga
Aqui quando você vê na prateleira algo com o preço “dez dólares”, pega e vai até o caixa pagar, o preço que você efetivamente paga pode ser qualquer coisa. É costume aqui não incluir entre outras coisas os impostos (que variam com a localidade e com o produto, então é impossível prever) no preço anunciado, então você só sabe o preço que vai realmente pagar ao chegar no caixa. Logo que cheguei isso era uma surpresa constante. Eu sempre acabava gastando mais do que o planejado. Isso pra mim é maluquice. Exceto como forma de constante conscientização política, quero lá eu saber qual seria o preço sem impostos? Quero saber é quanto vou pagar… Mas o mais interessante é que isso é sim em parte uma atitude de hostilidade com relação aos impostos. Outro dia eu estava fazendo cópias de umas chaves e o velhinho ao terminar me disse “it’s 5 dollars plus the tip to the governor”.

É permitido avançar o sinal vermelho para dobrar à direita
Aliás, é permitido fazer um monte de coisas que no Brasil deixariam as pessoas de cabelos em pé. Tipo, espera-se constantemente que você use seu próprio julgamento para não fazer bobagens. Tem havido uma tendência cada vez maior para o estado virar babá do cidadão, mas ainda há uma herança muito forte de autonomia individual, tipo até você começar a abusar da sua liberdade, você pode fazer um montão de coisas.

Não é possível falar no celular no metrô
Pelo menos não em Nova York. Que é o maior sistema de metrô do mundo. A burocracia e guerra política para decidir quem instalaria o sistema e quanto custaria foram intransponíveis a ponto de nunca ter sido feito. Isso é em parte resultado do fato de que o metrô aqui está sob administração (blargh) da MTA, uma empresa semi-governamental absurda que todos odeiam.

É possível sacar dinheiro de qualquer banco em qualquer caixa eletrônico
Basicamente, qualquer ATM serve a qualquer banco. Não tem essa de procurar uma agência do seu banco. Ah, e existem ATMs em todos os lugares possíveis. A birosca do chinês da esquina tem um ATM no canto.

Não existem assaltos
Isso é obviamente um exagero, claro que existem, mas em três anos eu nunca passei nem perto de algo que parecesse motivo para me preocupar, e não conheci, encontrei ou conversei com nem uma única pessoas que tenha sido assaltada. Isso faz uma diferença que não dá nem pra descrever na qualidade de vida. Os prédios não têm grades em volta e as janelas dão para a rua. As pessoas usam laptops no metrô, no bar, no banco do parque sem qualquer preocupação. Anda-se pela rua bem vestido e com uma bolsa no ombro às três da manhã e nada acontece. Entra-se no banco pela porta da frente (não por uma porta giratória cheia de guardas de tocaia) e ninguém olha duas vezes pra você. Em contraste, acabo de passar um único mês no Brasil e roubaram meu celular no centro do Rio em plena luz do dia.

Paga-se para receber ligações no celular
Embora eu já tenha acostumado, a princípio isso foi um choque. Você paga basicamente pelo tempo em que está usando o sistema de telefonia, não interessa o motivo. Claro que dependendo do que estiver fazendo (tipo uma ligação internacional) há taxas adicionais, mas cada minuto em que você está conectado tem uma tarifa. Ah, e isso vale para mensagens de texto também. Então se alguém te manda uma mensagem de texto indesejada, ou se você recebe um telefonema com número errado, você paga assim mesmo. Que tal?

Eu provavelmente poderia pensar em mais coisas mas acho que já está comprido que chegue no momento…

Blog: O Indivíduo

Um comentário:

Anônimo disse...

Olá!! essa é minha primeira vez por aqui.....estava pesquisando sobre a obrigatorieade de instalação de ralo em cozinhas de apartamento residenciais. O motivo?? sou advogada de uma construtora e o cliente está reclamando o fato da cozinha dele não ter ralo. Acho que vou dizer pra ele acessar seu blog e entender o novo conceito de utilização de um dos bens mais preciosos da atualidade: a água!!!
beijos e até mais